14/08/2009

DEUS E SUA CRIAÇÃO

Diz-se que há uma diferença entre Deus e o homem, entre o Criador e Sua criação. A diferença básica é que Deus está livre de todas as limitações, enquanto o homem está acorrentado a limitações. A diferença entre um objeto material e outro é conhecida por suas respectivas qualidades. Uma manga é uma manga pela virtude de suas qualidades; uma maçã é uma maçã por causa de suas características. Se as características e qualidades da manga se transferirem para a maçã, esta, então, não será uma maçã, mas se tornará uma manga.A diferença entre as características do Criador e as da criatura é que os conserva distintamente separados. Se através da sádhana , a criatura desenvolve as características do Supremo Progenitor, então , ele se torna o próprio Supremo.
Deixe-me dizer uma palavra sobre as qualidades de Deus e suas Criaturas. Etimologicamente Iishvara (um nome sânscrito para Deus) significa “O Controlador”. Deus é o Controlador e o ser vivo é o controlado. Neste mundo, todos os objetos, grandes ou pequenos, desde o átomo até o cosmos, são controlados pelo Supremo Controlador. No reino físico, você não é o controlador das ações. O homem não sabe que pode vir a morrer no momento seguinte. Ele é controlado por Alguém que tem absoluto direito para agir assim e que não pode ser questionado. Quando o proprietário quer que o inquilino deixe sua casa dará ao inquilino um aviso. O que pode o inquilino fazer? O máximo que ele poderia fazer seria recorrer a lei.
Agora, você nem mesmo possui seu corpo. Você pode apenas usá-lo. Deus é o proprietário. Se Ele quiser, Ele toma seu corpo de volta e Ele pode fazê-lo sem mesmo dar um aviso.No reino de Deus não há tribunais. Ele é o Supremo Proprietário e Seu direito é absoluto, eternamente absoluto. Deus é o controlador e os seres controlados não podem dizer coisa alguma, eles terão que se render a Ele.
Portanto, você viu a relação entre Deus e as criaturas. Deus tem o controle em Suas mãos e os seres vivos não são livres. É claro que você pode dizer que no reino de Deus há uma certa medida de liberdade. Se você se rebaixa a condenar Deus, Ele não irá dizer coisa alguma. Mas você percebe que é capaz de aviltar Deus, através de Seu poder? Você toma o poder de Deus para O aviltar! Agora, o que você fará quando Deus é controlador? Este poder de controle de Deus é admirável e mesmo mágico. O mágico transforma uma pedra em um pombo, e as pessoas apenas assistem à transformação. Como a pedra transformou-se em pombo, isto as pessoas não compreendem. Será que ela realmente se transformou ou não? Isto não se sabe. O mistério atrás disto é conhecido pelo mágico e os poucos de seu grupo que estão no palco com Ele.
Deus está controlando todos por Seu poder mágico. O que fará a pessoa que quer descobrir os íntimos segredos de seu mágico poder de Deus? Para saber o que, por que e como da influencia mágica de Deus, você terá que penetrar no grupo do Mágico-Mestre e desenvolver amor por Ele. Amando e não discutindo com o Supremo, e participando de Seu grupo, você conhecerá a técnica secreta de Seu controle. Como pode o Homem evoluir no caminho do progresso? Desenvolvendo amor por Deus.
Maharishi Kanad, um grande santo, costumava perguntar o que é este cosmos. O universo é a combinação de átomos. Um átomo é uma força material, uma força crua, uma força física. Se as atividades do mundo fossem entregues ao átomo o que aconteceria? Haveria choque e luta. Se o átomo fosse tudo, este mundo belo, evoluído e sistemático que funciona sob certas normas e princípios, não teria sido fundado. Maharishi Kanad disse que a matéria elementar existe, mas a matéria não controla a matéria. O que controla é a faculdade cognitiva – Deus. A força cega não pode criar um mundo sistematizado. Você tem que salvar se do laço da serpente do materialismo, e você pode salvar se a si mesmo entregando se a Deus. O homem que prontamente se entrega a Deus é um sábio, e seu progresso será extremamente rápido.
O homem não é meramente o corpo físico com mãos e pernas; o homem é maior , é mais grandioso que isto. O corpo físico não é controlado pelo corpo, mas pela mente, que, por sua vez, é controlada pela consciência Cósmica (Deus). Assim o homem sábio deverá se conduzir de acordo com o desejo de Deus. Motivado de acordo com o desejo de Deus, o homem irá se engajar nas atividades do mundo.
Qual é a outra característica de Deus.? Ele permanece infenso ou indiferente à angústia, ação, reação e dependência. Todas as criaturas deste mundo não têm o mesmo nível de elevação. Se o homem continua a elevar sua mente até atingir além da periferia destes quatros fatores, então ele se torna Deus.
Agora, o que é angústia? Aquilo que prejudica a naturalidade da mente – aquele estado que o homem quer evitar – é chamado angústia. Suponha que você cheire alguma coisa fedida. Sua mente não permanecerá firme e você perderá logo o senso de julgamento. Você vai querer ficar longe daquela coisa mal cheirosa, porque ela é causa de sua angústia.Você vai querer ir onde haja alguma coisa fragrante, porque aquilo aumenta seu bom humor e jovialidade. Se, antes de meditar, você queima um pouco de incenso, você naturalmente se sentirá mentalmente bem.
Os seres vivos são afetados pela angústia. Considerando se os diferentes tipos de angústia, existem quatro tipos de ações que os seres humanos executam. Devido à ignorância e à atração pelas coisas físicas, o homem comete muitas ações que trazem dor e sofrimento enquanto as executa e que deixam dor e sofrimento depois da execução. Suponha que haja uma competição de rasagula (doce delicioso) entre alguns homens, e alguém devora cinco kilos deste doce. Enquanto está comendo, o individuo sofre, no sentido de que ele está sendo forçado a comer por causa da competição, de que ele está comendo contra sua vontade, apenas para se sobressair como herói. Você também conhece as conseqüências dolorosas de comer uma grande quantidade de doces! Tal ação traz sofrimento enquanto executada e depois de concluída.
O segundo tipo de ação traz sofrimento e depois prazer. Suponha que seus amigos começaram a seguir caminhos tortuosos acumulando bens e aceitando subornos e você continua a viver a vida dura, mas honesta, cheia de pobreza e problemas. Você está sofrendo, é verdade, mas as conseqüências de seu sofrimento vão ser premiadas no sentido de que você viverá com honra e respeito. Neste segundo tipo de ação houve sofrimento no início, mas as conseqüências vão ser felizes.
O terceiro tipo de ação trazer prazer e depois dor. No terceiro tipo de ação há muito prazer em fazer a ação, mas seus efeitos são muito ruins. Considere quatro pessoas: Sr.A, Sr. B, Sr.C e Sr. D, viajando de Magpur a Bombain, Sr. A, Sr.B e Sr.C estão viajando sem passagens, de 1º classe, num vagão com ar condicionado. O Sr. D, entretanto, tem uma passagem de 3º classe e está viajando num compartimento cheio de gente onde está passando por muita privação. Sr. A, Sr. B e Sr. C estão instalados confortavelmente e se divertindo. Durante a fiscalização das passagens, Sr. A, Sr.B e Sr. C são levados sob custodia policial e o Sr. D felizmente chega a seu destino. O comportamento do Sr. D trouxe dor e prazer, enquanto o comportamento dos outros trouxe prazer e depois dor. Lembre-se que Deus está além do âmbito das três ações mencionadas.
O quarto tipo de ação traz prazer. Aqui não há dor, nem enquanto a ação está sendo executada, nem em suas conseqüências. Este tipo de ação é de Deus e é também possível ao homem. O que Deus faz traz prazer. E para os homens a sádhana espiritual traz prazer. Sim, no reino espiritual, o homem e Deus chegam ao mesmo nível ou ponto comum. Quanto maior sua sádhana, tanto mais próximo você estará de Deus.
Quando a ação é executada, tanto no plano físico como no psíquico, é chamada karma. Deus não faz nada no plano físico. Para Deus tudo é interno. Para Ele não há mundo externo. Tudo é Sua projeção psíquica interna, nada é externo. Para os seres humanos há projeção psíquica interna e projeção psíquica externa. O homem que projeta um fantasma em sua mente e pensa nele continuamente irá projetar sua mente externamente e verá o fantasma no mundo externo. Quem não pensa no fantasma não o verá, mesmo durante a noite. Assim, para o homem há um “interno” e um “externo”. Se os pensamentos do fantasma se tornam dominantes na mente e se a projeção restante da mente subconsciente é suspensa ou unida à aquela projeção interna, aí a personalidade está perdida. Se a mente naquele momento pensar que se tornou um fantasma, a pessoa agirá como se fosse um fantasma. Esta é uma doença associada à histeria. E as pessoas erroneamente dizem que o fantasma entrou em seu corpo. Tudo isso é psicológico.
Você age pela sua mente e por suas mãos e pernas. Algumas vezes pode agir mentalmente, mas não pode agir fisicamente por causa do medo da sociedade e por outras causas. O homem que diminuiu a diferença entre ações internas e externas é um homem verdadeiro. O homem interior e o exterior devem ser um. Se uma dupla personalidade se desenvolve lado a lado, e se a diferença entre as duas personalidades se torna muito grande, então o homem morre. Esta dupla personalidade é muito perigosa para o desenvolvimento humano. Unifique-as.

O sábio considerará se a civilização moderna é uma civilização verdadeira ou não. Eu não sou um intelectual, mas sei que o maior defeito desta civilização é que nela uma dupla personalidade está se desenvolvendo. A distancia entre o homem interior e o homem exterior esta aumentando continuamente. Esta distancia é menor, mesmo agora, nos habitantes ignorantes dos vilarejos.
Entretanto, em Paramapurusa, não há oportunidade para uma existência dupla. Em Deus tudo é interno; nada é externo. Tudo está dentro, nada está fora. Portanto, esta é a diferença entre as ações de um ser humano e as de Deus, a Criatura e o Criador.
Quando um homem faz qualquer ação, há uma reação. Onde há ação há reação igual e oposta, contanto que o tempo, espaço e as pessoas permaneçam imutáveis. Se um dos três fatores mudar, então a reação não será igual e oposta. A reação será um pouco maior ou um pouco menor. Suponha que numa noite, às 19:00 horas, o Sr. X pede emprestado 20.000 rúpias ao Sr. Y. Se o dinheiro não for devolvido no mesmo instante ele terá que ser devolvido com juros. Você terá que devolver uma quantia maior do que a que você recebeu.
A reação não ocorre no mesmo local e nem logo após as ações. A reação pode ocorrer depois de algum tempo – depois de poucas horas, dias, meses, anos ou mesmo, algumas décadas. Se você comete uma ação má, você terá que sofrer suas conseqüências, e você terá que pagar juros sobre a ação. Daí, a reação que você terá que suportar será maior que a ação. A reação não está em Deus, apenas no homem. Já foi dito que Deus não executa a ação no mundo externo, mas o homem o faz. Se o homem executa uma ação indébita em sua mente, a mente terá que sentir a reação. Ainda que seja dito nos Shástras ( escrituras ) que em Káli Yuga ( a atual era das trevas ) o pecado mental não é pecado, isto significa, na realidade, que o pecado mental não é punido mas deveria ser evitado, e o pecado externo é punido e deveria ser indubitavelmente evitado.
Se alguém comete um furto, terá que receber uma punição como reação. O furto é punível e deve ser evitado. Alguém que comete um furto em sua mente não prejudica ninguém neste mundo; assim, seu pecado não é punido. É claro, ele deveria ser evitado, porque se a mente pensa continuamente “eu roubarei, eu roubarei”, então o homem cometerá um furto fisicamente.
A uma ação benevolente corresponde uma reação benevolente, a uma má ação corresponde uma má reação. Uma ação boa prende como uma corrente de ouro, uma má ação prende como uma corrente de ferro. Deus não sofre qualquer reação porque não há nada externo a Deus. Tudo está Nele e tudo é Ele. O que quer que Deus faça está dentro de Si próprio, e não é nem bom nem ruim. Se você batesse num cavalheiro seria uma ação errada, mas bater em si mesmo não é censurável. Ninguém lhe dirá coisa alguma. Ninguém irá mover uma ação de difamação contra você, por qualquer coisa que você tenha feito com você mesmo. Assim, o que quer que Deus faça é com Ele mesmo, portanto, não há reação. Esta é a diferença entre o homem e Deus.
Todas as coisas criadas, todos os seres vivos precisam de proteção. Por exemplo, a cidade de Nagpur está sob os cuidados de algum distrito. O distrito está sob a administração de algum estado, e o estado está em alguma nação, a nação num continente, e assim por diante.
Mesmo a sustentação desta terra está no sistema solar, onde o sol é o núcleo. O sistema solar tem seu lar na galáxia, no cosmos. E o que é o núcleo dos Cosmos? É Paramapurus'a. Mas Paramapurusá não tem proteção. Ele não depende de coisa nenhuma. Por outro lado, o homem tem de depender de alguma coisa, de alguma proteção, de algum recurso. Se o homem quer se salvar da angustia, ele terá que absorver e adotar as qualidades de Deus. Lembre-se, a ação que traz prazer é comum tanto ao homem como a Deus. Assim, o homem deve encorajar este tipo de ação e isto implica em que ele deve fazer tanto mais sadhána quanto for possível. Mesmo as atividades mundanas devem ser encaradas como se elas fossem uma parte da sadhána. Atribua divindade a todas as ações que faz. Aí, então, você estará salvo da angústia. Antes de fazer qualquer coisa, você deve usar seu Guru Mantra (uma prática que atribui divindade a todas as ações mundanas). Toda a ação passa a ser então parte da sadhána, e não mais uma ação acorrentadora. Não haverá reação se você fizer todas as ações considerando todos seu Ser. Pratique madhuvidya!-(a doce ideação de que o Supremo está em todo lugar).
Com relação à proteção, o homem não deve pensar em termos de vila, cidade, distrito. Somente Deus deve ser sua proteção, e ele deve pensar que está sob a proteção de Deus apenas. Apenas Sua proteção, apenas Seu barco pode nos levar através do rio da vida. O homem se torna Deus, refugiando-se Nele. E você deve refugiar-se Nele agora; será difícil mais tarde.
Deus é inexplicável, indefinível. Ele é a própria personificação do amor. Considerando as conexões e relacionamentos mundanos, todas as coisas são mútuas, nada é unilateral. Você paga ao comerciante algum dinheiro e ele lhe dá o que você quer. O relacionamento é mútuo. Você não pode obter nada do comerciante se não pagar pelo que deseja. Também você não dá dinheiro ao comerciante sem obter alguma coisa em troca. O relacionamento é mútuo. Isto é negócio. Quando a conexão é unilateral, quando você dá sem receber algo de volta, isto é chamado seva ( serviço). O homem de negocio anuncia que ele tem “servido à sociedade nos últimos anos”. Na realidade, ele não faz serviço algum, ele negocia. Ele recebe dinheiro para fornecer algum bem em troca. Similarmente, o homem faz ações mundanas para comer, falar, etc. para seu prazer. Qualquer coisa que o homem faça para sua felicidade e satisfação de Deus é chamado prema ( amor). Amor é unilateral; todo o trabalho mundano é mutuo.
VOCÊ NUNCA ESTÁ SÓ OU ABANDONADO.
A FORÇA QUE GUIA AS ESTRELAS GUIA VOCÊ TAMBEM.
Deus não faz nada para Si mesmo. Deus é amor personificado, porque o que Ele faz é para servir os seres vivos. Ele é a morada do amor. Seu amor é inefável. Ele é inexplicável. O homem é impelido pelo egoísmo e guiado por seu limitado intelecto nos assuntos do mundo. Eu me lembro de ter ouvido em algum lugar que se pediu a um senhor que risse. Ele, sendo um homem de negócios, replicou: “Qual é o lucro que eu terei por meu riso?”. Antes de fazer alguma coisa, o homem vê se lhe será lucrativo fazer aquilo. Este não é o caso de Deus. Ele pertence a todos. Ele é para todos.
Enquanto Deus é inexplicável, podemos dizer alguma coisa sobre a natureza do homem. Por exemplo, diremos que esta pessoa é excêntrica; este senhor é puro de coração; este homem é bom, exceto por seu temperamento apaixonado e assim por diante. Em uma palavra, o homem é explicável, mas Deus é inexplicável. Vyasa, um poeta da antiga Índia, escreveu os Puranas (escritas antigas) para a educação pública e para elogiar as características divinas de Deus, assim ele elaborou acerca de Deus. Mas isto não deveria ter sido feito, porque Deus é inexplicável, Ele é indescritível. Ele está além dela. Ele não pode ser expressado; Ele está alem até mesmo da mente. Assim, não é possível para as escrituras escrever sobre Ele. E você sabe, Vyasa depois de ter escrito as escrituras, desculpou-se a Deus e procurou ser perdoado com estas palavras:
“Tu estás alem da forma, e ainda assim, eu Te descrevi. Esta é a minha primeira falta e crime. Tu estás alem de todas as qualidades, ainda assim, descrevi Tuas qualidades como compaixão, misericórdia, etc...Esta é a minha segunda falta e crime. Tu és onipresente, ainda assim, eu reforcei e propaguei a importância das peregrinações. Ao dizer que as peregrinações a um local ou um mergulho em algum rio sagrado seria algo virtuoso e capaz de produzir certos benefícios materiais, eu Te afrontei a Tua onisciência. Este é o meu terceiro crime. Ó Deus, eu cometi conscientemente estes três crimes. Perdoa-me Senhor”.
Sim, Deus é infinito. O homem pode ser descrito: Tom é deste tipo, Dick é daquele tipo. O homem deve contemplar Deus. Aí, então, ele também será inexplicável; Ele também será a personificação do amor.
Você trabalha com um cérebro, mas Deus trabalho com milhões de cérebros. Você se considera erudito depois de ter lido alguns livros e diz:” Onde está Deus? Mostre-me” Ah! Você tem o olho para Vê-lo? Se for pedido para um cego para ver um elefante, o que poderá ele ver? Para ver o elefante você precisa de olhos. O homem tem dois olhos, ambos na frente. Um olho atrás e outro na frente poderia ter servido a este propósito. Os dois olhos estão na frente e o homem não pode nem mesmo ver o que está acontecendo atrás de si. Mas Deus “vê” com um número infinito de olhos. Ele vê mesmo o que você faz clandestinamente . Ele “vê” o que você está pensando em sua mente. Você ( apontando para um sadhaka de Hyderrabad) pensa que lhe teria sido conveniente se Nagpur estivesse mais perto de Hiderabad, mas para Deus não existe isto que chamamos distância. Ele não tem que ir a lugar algum. Ele tem um pé aqui na tenda e Seu outro pé talvez esteja em sua casa de Hiderabad. Você deve se lembrar que no caso de absoluta cognição existe velocidade absoluta ou pausa absoluta, mas no domínio de relatividade não pode nunca haver velocidade absoluta ou pausa absoluta; em todo o lugar há velocidade relativa e pausa relativa.
Ele está neste mundo de cinco fatores fundamentais. E neste mundo psíquico, nas esferas das mente, Ele existe em Sua onipresença. Ele criou todas as esferas da mente, e Ele existe em todo lugar.
Mas o ser limitado existe numa região limitada deste mundo material. Se alguém diz que Ele é um especialista em Geografia, e se eu lhe pergunto o número de casas de Nagpur ou o numero de tijolos das casas, ele não estará apto a responder. Quantos tijolos há em Nagpur é certamente uma questão de Geografia, mas eu não encontrei nenhum especialista em Geografia que pudesse responder minha pergunta.
A inferência é que o conhecimento humano é imperfeito e nunca se pode pretender ser perfeito em qualquer conhecimento humano. O orgulho do saber é, portanto, sem sentido. O homem nada tem de que possa se orgulhar. Se há alguma coisa de que possa se orgulhar, é Deus. Você pode certamente se orgulhar do Pai que é perfeito e divino. “Eu sou o filho de Deus.” Este é o tipo correto de orgulho. Fora disso, nada há de que se possa orgulhar.
O homem sabe apenas algumas coisas do passado recente. Ele nem mesmo pode saber o que acontecerá no próximo momento. Mas Deus sabe de tudo. Ele é onisciente porque o mundo de relatividade está dentro Dele. Ele é o conhecedor do passado e do futuro. O conhecimento do homem é muito limitado. Se aqueles que passaram no exame de bacharelato tivessem que prestar um exame neste momento, penso que nenhum passaria. Mesmo se lhes fossem dadas agora as mesmas questões do exame anterior, não passariam, porque teriam esquecido muito do que aprenderam antes.
Os homens são guiados pelos complexos de superioridade ou pelos de inferioridade. Suponha que alguém passe no exame de bacharelato e as pessoas de sua vilas sejam todas analfabetas.
Quando ele for a sua vila terá tal ar de orgulho que não irá se misturar espontaneamente com o povo e não falará livremente com eles. Poderá também sentir inferioridade de pertencer a uma vila atrasada enquanto está entre os habitantes da cidade. No homem, os sentimentos de grande e pequeno brotam. O homem não tem perspectiva desapaixonada.
Deus, pelo contrario, olha para os tolos e os sábios, os pretos e os brancos, os altos e os baixos, e para todos – com os mesmos olhos. O homem, porém, pensa sobre o grande e o pequeno. Ele adula os grandes e desdenha ou negligencia os pequenos. Para Deus não há diferenciação, Deus é para todos. Em tempos de tristeza você diz: “Ó, Deus, salva-me!” e o homem perverso diz: “Ó, Deus, salva-me!”. Deus ouve mesmo o perverso, mas você despreza o perverso. Eu disse uma vez que Deus não pode fazer duas coisas. Ele não pode criar outro Deus como Ele, embora possa criar todas as outras coisas, e Ele não pode odiar ninguém. Mesmo que Deus deseje odiar alguém, Ele não pode fazer isso. Os que estão no paraíso e os que queimam no fogo do inferno são ambos igualmente queridos de Deus. Deus tem compaixão por todos. Ninguém está sem seu apoio. Se uma criança vil chora no inferno e diz:
“ Ó, Deus, agora eu não posso suportar o tormento. Salva-me!” Deus o ouvirá e o protegerá como protegeria qualquer outro. Mas você não tem esta característica. Quando você vê uma pessoa perversa sofrendo, você diz: “Ah, é bem feito!” Você tem intenso ódio por aquele homem perverso.
Você pode responder ordens de outros, mas Deus não pode receber ordens de ninguém. Esta é a diferença fundamental entre você e Deus. A despeito disso , Deus o abençoou com uma coisa maravilhosa – a mente. A natureza desta coisa, a mente, é que, assim como ela pensa, assim se torna. O que pode você fazer muito convenientemente? Unir sua mente a Deus. Tendo a ideação de Deus, você mesmo vai se tornar Deus, e todas as qualidades e características de Deus lhe advirão. Deus não pode ser dois. Você vai se fundir com Deus e se tornar aquele Deus uno. Você se estabelece assim em benção eternamente.!
As pessoas que dedicam tudo de si ao pensamento do Grande e à inspiração do Supremo são verdadeiramente os grandes heróis. Tais heróis na verdade, são os virtuosos e somente eles são capazes de levar a história da humanidade das trevas para a luz.
A Graça de Bábá - Shrii Shrii Ánandamúrtijii