14/06/2011

BRAHMA - SER SUPREMO

            Muitas pessoas crêem em Deus como um ser pessoal, criador do universo, e que vive no céu. Oram a esse Deus para pedir ajuda, especialmente quando têm problemas. Em tal crença, Deus está fora da pessoa.
            Na Ananda Marga não se considera a Deus como um ser pessoal, fora da própria pessoa. Deus pode ter diferentes nomes, mas há só um Deus, que chamamos de Brahma.
            Brahma, Ser Supremo, Aquele que abrange tudo. Não pode existir nada maior que Brahma, uma vez que o universo está contido n'Ele. Nada pode existir fora de Brahma: Brahma é a própria criação e também já existia antes que a criação visse a existir.
            Ananda Marga professa um monismo absoluto, afirmando que Brahma é tudo e tudo é Brahma. Ao mesmo tempo dá importância à criação, como sendo uma expressão de Brahma. Todas as diferentes manifestações que encontramos neste universo são diferentes formas e manifestações de Brahma, que é a essência de todas as coisas.
            Brahma é infinito, maior que tudo, tendo também a capacidade de tornar infinito aos outros. Quando meditamos em Brahma e fazemos sinceramente nossas práticas espirituais, sentindo amor a Deus e servindo à humanidade, podemos nos unir com Brahma e voltar a ser infinitos. Somente o ser humano pode experimentar e realizar a grandeza de Brahma. Os animais não podem obter a realização de que Brahma é a vida de nossas vidas, a mente de nossas mentes, o centro de nosso ser, porque não podem meditar. Os seres humanos têm essa capacidade e, por conseguinte, devem desenvolvê-la.
            Outra característica de Brahma é que Ele não pode ter ódio. Brahma é só amor. Tudo é amor. Portanto, nenhum ser humano deve temer a qualquer coisa ou alguém, pois Brahma sempre nos ama. Brahma é a fonte da Energia Cósmica, do amor, e quando direcionamos nossas mentes para Brahma não há qualquer motivo para temer.
            Todo ser humano tem o direito de receber o amor de Brahma como um menino tem o direito de receber o amor e a afeição de sua mãe. Não impor­ta quais sejam nossas faltas e fraquezas, Brahma sempre nos acolhe como seu próprio filho. Mesmo que tenhamos feito coisas más e negativas! Quando direcionamos nossas mentes para Brahma, com fé e sinceridade, Ele se revela para nós e outra vez podemos ir a Seu encontro. O inferno é um conceito que não existe na Ananda Marga, mas poderia significar as provações sofridas devido às nossas ações incorretas. Porque é natural que soframos pelas coisas negativas que fazemos e que fiquemos felizes pelas coisas boas que desenvolvemos. Sempre receberemos as conseqüências de cada uma de nossas ações; esta é a lei da natureza, da qual não se pode escapar.
            Brahma é composto de Parama Purus’a (Consciência Cósmica) e Parama Prakrti (Energia Cósmica). A Consciência Cósmica não pode ser explicada, é a essência de toda a criação e também existe além da criação. A Consciência Cósmica não faz absolutamente nada, só testemunha as ações e as reações que ocorrem no Universo. É por meio da Consciência Cósmica (Parama Purus’a) que sentimos atração por Brahma. A Consciência Cósmica existe em todas as coisas, mas não podemos vê-la. A única maneira de saber se a Consciência Cósmica realmente existe é por meio da meditação. Na meditação podemos elevar nossa consciência individual até o nível da Consciência Cósmica de Brahma e podemos realizar e experimentar a grandeza de Brahma.
            Parama Prakrti, ou Energia Cósmica, é o princípio qualificador da Consciência Cósmica. Tudo o que vemos, ouvimos e sentimos são diferentes formas de energia. Em Sua essência, Brahma é somente um, mas por meio de Sua Energia Cósmica, ou Seu princípio operativo, Ele se manifesta em diferentes formas.
            A Consciência Cósmica não pode existir sem a Energia Cósmica, pois ambas só são diferentes aspectos de Brahma. A Energia Cósmica é o princípio qualificador da Consciência Cósmica, assim como a característica do fogo é queimar e a característica do leite é ter a cor branca. Como o rico demonstra sua riqueza por meio dos valores depositados em um banco, da mesma forma a Consciência Cósmica se manifesta no universo criado por meio de Sua Energia Cósmica. Da mesma forma como os dois lados de uma folha de papel são interdependentes, também a Consciência Cósmica é interdependente da Energia Cósmica dentro do Ser Supremo, ou Brahma.
            Brahma é a entidade mais abrangente que todas as outras entidades e nada pode existir fora d'Ele. Todas as manifestações existentes neste universo são diferentes formas de Sua Energia Cósmica, de Parama Prakrti.
            O ser humano consiste de corpo, mente e alma. O corpo e a mente são diferentes expressões da Energia Cósmica. A alma, ou a consciência individual, nada faz, só testemunha as ações mentais e as ações físicas (as ações físicas são expressões das ações mentais). Dessa maneira, entendemos facilmente que nossa alma ou nossa consciência individual é o que há de mais profundo em nós. O corpo, por meio dos sentidos (audição, tato, visão, paladar e olfato) capta as vibrações (ondas) do mundo externo e as transmite através dos nervos até o cérebro, e este até a mente, e a mente transmite essas ondas de pensamentos até a alma, para que esta testemunhe todas as ações do corpo e da mente.
            A mente e a alma (atma) podem ser comparadas a dois pássaros sentados no ganho de uma árvore. Um dos pássaros come uma fruta e sente prazer ao comê-la, mas após comer muito, poderá se sentir pesado, experimentando a reação de sua ação. O outro pássaro só testemunha sua ação, mantendo seu estado de tranqüilidade e paz. Sente-se feliz em apenas observar como seu pássaro amigo está se deliciando da fruta, mas não é afetado pela ação de comer nem pela reação. Assim, a mente sempre está conectada com o mundo externo, sentido às vezes prazer, às vezes tristeza; desfrutando às vezes de bonança, às vezes de pobreza. Dessa forma, nunca poderá obter felicidade permanente, nem tranqüilidade, nem paz. Mas nossa alma, nossa consciência individual, que é um reflexo da grande Consciência Cósmica de Brahma, sempre está repleta de paz e tranqüilidade e nunca é afetada pelas aflições do mundo externo. Através da meditação em Brahma, estamos afastando nossas mente do mundo externo e dirigido-a para nosso interior, nossa alma, nossa consciência individual (atma). Por esse processo de meditação, podemos alcançar o estado de Ananda, ou seja, a bem-aventurança eterna, a felicidade infinita.     
            A Consciência Cósmica (Parama Purus’a) necessita da Energia Cósmica (Parama Prakrti) para se manifestar na forma do universo; como o indivíduo necessita do ego para se manifestar na esfera social. A Energia Cósmica despertada se expressa em diferentes formas. Ela está dividida em três diferentes tipos de energia, três diferentes forças.
            O primeiro tipo é a energia sutil (sattvaguna), que provê o sentido de existência (mahat), o sentimento de “eu sou". A energia sutil da felicidade, do sentimento de amor, de estar livre de todas as amarras, limitações e obscuridades.
            O segundo tipo de energia é a energia mutatória (rajaguna), o agente da transformação, que dá o sentido da ação (aham), o sentimento de “eu sou aquele que faz, lê, escreve e fala". Esta energia se mantém sempre ativa e opera como elemento de ligação entre o princípio sutil e o princípio estático.
            O terceiro tipo de energia é a energia estática (tamoguna), que provê o sentido de objetividade (citta), o sentimento do "eu objetivado". A energia estática manifesta o resultado da ação que ocorre por conta da energia mutatória e também permite experimentar o resultado das ações. A energia estática cria a obscuridade, a limitação e a infelicidade, direcionando nossas mentes para o mundo externo, no qual nunca poderemos encontrar a felicidade e a tranqüilidade duradoura.
            A força estática nos leva à obscuridade, à morte, à matéria. A força mutatória não causa danos, mas tampouco nos ajuda a progredir em nossa caminhada até Brahma. A força sutil, embora também nos limite, pelo menos nos ajuda em nosso esforço pelo aperfeiçoamento espiritual. Para o aspirante espiritual, é necessário utilizar a energia sutil para manter-se no caminho espiritual.
            Causar danos aos outros, mentir, roubar, desfrutar de vida luxuosa, comer carne, peixe, ovos, cebola, alho e cogumelo, ingerir bebidas alcoólicas, fumar, usar drogas, são ações dominadas pela energia estática, as quais o aspirante espiritual deve evitar.
            Viver intranqüilo, fazer várias coisas ao mesmo tempo, ingerir café ou outros estimulantes são ações dominadas pela energia mutatória e um aspirante espiritual deve, dentro do possível, abster-se desses itens.
            Viver de modo simples e tranqüilo, manter a mente, o corpo e o ambiente puros, estudar coisas boas e elevadas, fazer serviço à humanidade (sem visar a beneficio próprio), praticar posturas de yoga (ásanas) e meditação, ter hábitos higiênicos e comer verduras, frutas, produtos lácteos, grãos, castanhas etc. são ações dominadas pela energia sutil, e a pessoa que vive deste modo certamente progredirá no caminho espiritual.
            Esses três tipos de energia são forças belicosas (em luta), que estão sempre juntas. A luz não poderia existir se não houvesse a escuridão, e o bem não poderia existir sem o mal; mas somente através do bem (a energia sutil ou sattvaguna) podemos alcançar a Brahma. O mal nos leva à infelicidade e à morte, é um processo que destrói a integridade do ser humano. O bem nos leva à felicidade e à vida eterna, é um processo que conduz à união com a Consciência Cósmica.
            Cada ser humano tem em si mesmo tanto o aspecto da negatividade como o da positividade. Temos instintos de ódio, destruição, ciúme, sexo e pessimismo assim como sentimentos de amor, afeição, sinceridade, serviço desinteressado e otimismo. Nosso progresso só é possível quando fortalecemos os aspectos positivos dentro nós mesmos para lutar contra a negatividade ou a imoralidade.
            Na sociedade humana, essas três forças estão presentes. Quando a imoralidade domina a política no mundo, há guerra, exploração e corrupção; as pessoas sofrem e não podem progredir nos diferentes campos da vida. Se a força sutil predominasse no mundo, poder-se-ia criar uma ordem mundial em que todas as pessoas pudessem atender suas necessidades básicas, como alimento, moradia, vestuário, assistência médica e educação física, mental e espiritual. Um mundo onde haja justiça e que seja administrado por pessoas moralistas e espiritualistas, no qual se dê a oportunidade a cada pessoa, sem distinções, de progredir em todos os aspectos da vida e dessa maneira construir um mundo justo e feliz, que progrida até o ideal cósmico.
            As pessoas espiritualizadas têm o dever de fortalecer as forças positivas no mundo através de seu progresso individual e têm de se unir para impedir a expansão das forças negativas no mundo.
      "É a ação que torna grandioso o indivíduo. Seja grande por seu esforço pelo seu progresso espiritual, por seu serviço desinteressado à humanidade e por seu sacrifício em estabelecer uma sociedade melhor ."
      "A espiritualidade não é um ideal utópico, mas sim uma filosofia prática, que pode ser utilizada no dia-a-dia. A espiritualidade significa evolução e elevação e não tem nada a ver com superstição ou pessimismo. Todas as tendências desagregadoras impedem o aperfeiçoamento da humanidade e não estão conectadas com a espiritualidade. Somente aquilo que nos leva à expansão de nossa visão deve ser aceito. A espiritualidade não reconhece as diferenciações entre os seres humanos; a espiritualidade significa a fraternidade universal”.
        “Para construir algo em bases humanitárias é preciso estar baseado no verdadeiro amor pela humanidade. Uma sociedade realmente benevolente nunca poderá ser estabelecida sob a liderança de pessoas egoístas. O egoísmo não surge onde o amor é o principal fator. O ingrediente para construir uma sociedade saudável é simplesmente o amor genuíno".
                             Shrii Shrii Ánandamúrti
                                                              Texto elaborado segundo ensinamentos de Shrii Shrii Ánandamúrti.