11/04/2008

MISTICISMO E YOGA

Quando o senso estético, baseado na ciência estética sutil, desenvolve-se até um certo nível, isto é o que chamamos de misticismo. E quando este misticismo alcança a suprema glória humana, ou a gloriosa excelência humana, isto é chamado espiritualidade. O que é misticismo? Misticismo é o esforço incansável para descobrir o elo entre o finito e o infinito. É o esforço incansável para descobrir o elo entre o “eu” e o “Super-eu”, “khud” e “khudá”. Isto é misticismo.

Uma das carências humanas é que os seres humanos nunca ficam satisfeitos com algo finito. Eles nunca estão satisfeitos com algo limitado. Em sânscrito se diz: “Nalpe sukhamasti bhunaeva sukhamasti”- (A sede humana não pode ser saciada com algo limitado, a fome humana não pode ser satisfeita com algo finito).

Isto é, na busca pelo infinito, os seres humanos primeiro entram em contato com a ciência estética. A ciência estética não implica sempre obter algo agradável; pode significar a obtenção de algo dificultoso, algo desagradável – pode ser ou não algo que dê prazer. A ciência estética é aquilo que a gente pode expressar de forma sutil, do sutil para o sutil, e quando esse estado alcança o ponto mais sutil, esse é o ponto mais elevado da glória humana. Agora, a tarefa dos artistas é expressar seu trabalho de forma agradável, de forma lúcida, e apresentá-lo ao mundo. Nem todos podem fazer isto. Mas cada ser humano tem a capacidade de apreciar algo com senso estético ou beleza estética.

Quando os seres humanos começaram a se movimentar em direção ao Ser Supremo, em busca da Bem-aventurança Suprema, eles primeiro entraram em contato com a espiritualidade. Uma vez que a espiritualidade está em contato com o infinito, o finito entra em contato com o infinito, e isto é chamado Yoga. Yoga é o ser unitário movendo-se em busca do infinito, o finito movendo-se em direção ao infinito em um estilo místico. Em sânscrito, Yoga significa “adição”. Por exemplo, dois mais dois são quatro. Mas para um místico, para um aspirante da meta mística ou do místico Desideratum, Yoga não é somente adição; aqui Yoga significa “unificação”. Que tipo de unificação? É como a união de açúcar e água. Digamos que somemos duas maçãs com mais duas. No caso da adição, haverá uma maçã, então duas, depois três e finalmente quatro maçãs. Cada maçã manterá sua característica individual, sem qualquer mudança, antes e depois da adição. Mas no caso da unificação, isto é, no exemplo do açúcar e da água, o açúcar não manterá sua identidade porque ele se tornará um com a água. Isto é unificação. No campo do misticismo, Yoga significa esse tipo de unificação. Ou seja, é como a unificação do açúcar com a água, e não simplesmente como a adição de dois mais dois.

Por isso, o ponto de partida é a apreciação estética ou a ciência estética. O ponto culminante, ou melhor, do ponto culminante começa o movimento do Encanto Supremo. Nesse movimento direcionado para o Encanto Supremo, os seres humanos tornam-se unidos à Entidade Suprema, cuja morada está além do ponto culminante da existência.

Esse movimento em direção ao Yoga, para a unificação do ser unitário com o Ser Supremo, o finito com o infinito, é uma obrigação de todo ser humano. A estrutura humana, tanto física como psíquica, é a mais apropriada para esse propósito. Os animais e as plantas agem de acordo com seus instintos inatos. Eles são mentalmente subdesenvolvidos, e por isso seus cérebros também são pouco desenvolvidos. O crânio é muito pequeno, e a porção mental de consciência é suficiente para eles; não há nenhuma necessidade ou há pouca necessidade das camadas subconsciente ou inconsciente. Uma planta obtém prazer ou dor quando seus instintos inatos são estimulados ou desestimulados. Quando os instintos inatos de uma planta ou de um animal são estimulados eles obtêm prazer, e quando os instintos inatos são desestimulados, suprimidos ou oprimidos, eles sentem dor. Mas no caso da psicologia humana, o movimento humano psicoespiritual não pode ser suprimido, não pode ser interrompido. Nisto consiste a especificidade da existência humana.

Agora, vejamos o yoga. Yoga é a mais desenvolvida e mais valiosa expressão das práticas humanas, por isso, na primeira fase do yoga, o ser humano se expressa através de várias artes e ciências. O ponto culminante de todos os movimentos artísticos e o ponto máximo de todos os ramos da ciência é a fonte suprema, a fonte perene de todas as energias, a morada suprema de todas as energias. Parama Purus’a, a Entidade Suprema, é o Pai de todos, a Matriz Causal de todos os seres criados do universo, animados e inanimados. É por isso que para todas as pessoas, inteligentes ou ignorantes, magras ou gordas, escolarizadas ou não-escolarizadas, a Entidade Suprema é o ponto culminante, o Desideratum de toda expressão humana. Quando os seres humanos carecem do espírito desse movimento, eles perdem o status de um ser humano. Todos vocês, rapazes e moças, devem se lembrar dessa suprema expressão da verdade.

P.R.Sarkar -14 de Setembro de 1979, Istanbul

(Ananda Vacanamrtam Parte 14)