30/06/2011

SUPERSTIÇÃO, PECADO E DOGMA

O significado da prática espiritual é olhar cada ser humano, cada objeto desse universo, como uma entidade  integral. Colocar em perigo a unidade da raça humana  criando facções não é o objetivo  da espiritualidade (dharma). Aqueles  que  encorajam interesses escusos sobrevivem  graças a fraqueza  mental da humanidade  e de  suas desavenças; é  por  isso que eles se amedrontam com adifusão dos ideais da espiritualidade e se  opõe à eles por  meios imorais, tais  como  calúnias, propaganda  enganosa e    falsidades. A  humanidade não deve se  intimidar por isso. Deve marchar adiante.  Tenha  em mente que  inúmeros  são os  empecilhos  no  caminho  da retidão, e  continuar  a luta contra  os  mesmos  é  prática  espiritual.
                                                     (Ánanda    Vánii,    Maio    1957)


Superstições    de    qualquer    tipo    –    social,    psíquica    ou    espiritual    –    influenciam    a    mente    a    tal    ponto    que    ela,    devido    a    sua    ansiedade,    faz    a    pessoa    cometer    más    ações.    Superstições    espirituais    como    paraíso,    inferno,    e    medo    de    Deus    fazem    as    pessoas    perderem    seu    equilíbrio    mental.    As    práticas    espirituais    devem    ser    científicas,    sistemáticas    e    baseadas    na    racionalidade.    Medo    e    superstição    não    devem    fazer    parte    delas.   
                                ("Tattvika    Praveshika")

O    paraíso    é    o    estado    mental    de    uma    pessoa    engajada    em    atos    virtuosos,    e    a    mente    de    um    pecador,    desembestada    num    frenesi    selvagem,    é    o    inferno.
                                (Human    Society    I)

Satanás    não    tem    os    atributos    do    Absoluto;    ele    nada    mais    é    do    que    a    mente    humana    impulsionada    por    tendências    depravadoras.    Se    essas    tendências    são    desviadas    de    forma    apropriada,    elas    deixam    de    existir.    Está    em    você    o    poder    de    matar    esse    Satanás.   
                                  (Great    Universe)

Existem    muitos    que    recorrem    a    rituais,    oferecem    sacrifícios,    buscam    conselhos    de    astrólogos    e    tentam    mitigar    aquilo    que    eles    acreditam    ser    a    influência    malévola    dos    planetas    no    seu    destino,    ou    usar    vários    tipos    de    gemas    com    esse    fim.    Tais    pessoas    estão    cegas    pela    ignorância    e    superstição.    Suas    crenças    são    falaciosas    porque    nenhum    agente,    humano    ou    extra    humano,    pode    alterar    a    lei    da    natureza    e    interromper    o    curso    da    ação    e    reação.
                                 (Supreme    Expression    I)

Oração    é    algo    que    ridiculariza    o    Ser    Supremo,    ou    Deus.    A    prece    é    um    pedido    solene    endereçado    ao    Supremo    por    algumas    benesses.    Pensando    racionalmente,    não    será    que    a    tentativa    de    despertar    em    Deus    o    desejo    de    satisfazer    suas    necessidades    parece    como    um    lembrete    para    que    Ele    lhe    dê    algo    que    Ele    mesmo    lhe    privou?    Isso,    na    verdade,    lança    uma    difamação    Nele,    na    Sua    lei    e    no    Seu    senso    de    distribuição    de    Suas    dádivas    e    benções.    É    uma    insinuação,    pedindo    a    Ele    que    reverta    Sua    lei    e    interrompa    o    processo    de    reação    à    sua    ação,    que    deve    ter    mantido    você    privado    daquilo    que    você    agora    quer.    A    lei    de    Deus    é    imutável,    e    rezar    para    Ele    mudar    isso    é    uma    perda    de    tempo.   
Hinos    de    louvor    a    Deus    caem    na    mesma    categoria.    São    igualmente    ineficazes    e    são    um    mero    desperdício    de    tempo.    Louvar    a    Deus    é    equivalente    a    bajulação,    e    prece    equivalente    a    mendicância.
Devoção    a    Deus    cai    numa    categoria    totalmente    diferente.    É    a    contemplação    da    Consciência    Cósmica    onipresente,    e    ajuda    o    devoto    na    obtenção    da    liberação    das    amarras    e    na    fusão    com    a    Realidade    Última.    O    propósito    da    devoção    é    o    de    condicionar    a    mente    de    que    ela    é    sutil    e    não    grosseira,    que    é    um    reflexo    da    Consciência    Cósmica.    Aqueles    que    já    leram    Psicanálise,    e    compreendem    a    eficiência    da    auto-sugestão,    irão    apreciar    a    motivação    interna    e    a    eficácia    da    contemplação.    Os    verdadeiros    devotos    não    bajulam    o    Ser    Supremo;    eles    não    pedem    quaisquer    favores.    A    tendência    dos    devotos    é    meramente    lembrar    suas    mentes    da    meta    última,    até    que    todo    seu    corpo,    mente    e    alma,    se    esforcem    pela    emancipação    das    influências    degradantes    que    os    circundam.
                                    (Supreme    Expression    I)   

A    melhor    prece    é,    portanto,    “Ó    Senhor!    Faça    o    que    quer    que    você    ache    que    é    mais    apropriado    para    mim.    Eu    não    sei    em    que    direção    fica    o    meu    bem    –    Você    sabe”.    Houve    certa    vez    um    demônio    que    orou    para    que    ele    nunca    morresse    nem    durante    o    dia    nem    durante    a    noite.    Deus    atendeu    sua    prece,    e    ele    morreu    ao    pôr    do    sol!    Não    seja    tolo    assim.    No    momento    em    que    você    ora,    você    não    está    entregando,    já    que    você    está    pedindo    algo    para    si    -    você    já    está    cuidando    de    si    mesmo.
                                   (A    Graça    de    Baba)   

Alto    ou    baixo,    elevado    ou    degradado,    todos    são    iguais    para    o    Ser    Supremo    porque    o    céu    é    Sua    criação    e    o    inferno    é    Sua    criação.    Se    dissermos    que    Ele    está    somente    no    céu    não    será    correto,    pois    Ele    está    no    inferno    também.    Seus    filhos,    Suas    filhas    jamais    estão    sós;    Ele    está    com    vocês    até    mesmo    no    inferno.   
O    que    você    deve    fazer?    Você    deve    sempre    se    lembrar    que    você    é    o(a)    filho(a)    de    um    Grande    Ser.    Não    pense    que    é    um(a)    pecador(a),    que    é    degradada.    Se    pensar    que    é    um(a)    pecador(a),    está    meditando    no    pecado.    E    quando    o    pecado    torna-se    o    objeto    da    sua    meditação,    você    realmente    se    tornará    um(a)    pecador(a),    por    que    se    torna    exatamente    como    seu    objeto    de    ideação,    de    meditação.    Se    você    sempre    meditar    no    pecado,    “Eu    sou    um(a)    pecador(a)...Eu    sou    um(a)    pecador(a)...”    você    na    verdade    vai    se    tornar    um(a)    pecador(a).    A    abordagem    psicológica    é    esquecer-se    disso,    mesmo    que    você    seja    um(a)    pecador(a).
Você    deve    pensar,    “Eu    sou    uma    criança    de    um    Grande    Ser”.    E,    assim,    você    está    meditando    nele.    E    certamente    chegará    o    dia    quando    você    se    tornará    um(a)    com    Ele.    Você    deve    dizer,    “Eu    sou    Sua    criança...    Eu    sou    Sua    criança...    Eu    sou    Sua    criança...    Ó    Senhor,    ponha-me    no    seu    colo,    eu    sou    Sua    criança,    eu    Sou    sua    criança...”    Essa    deveria    ser    a    abordagem.    Você    deve    esquecer    aquilo    que    você    não    quer.
                                  (Discurso    nas    Filipinas,    1969)

Virtude    e    vício    são    entidades    temporais.    Essas    coisas    não    têm    nada    a    ver    com    o    seu    relacionamento    com    o    Supremo.    Suponha    que    alguns    meninos    estejam    andando    ao    longo    de    uma    estrada,    e    um    deles    cai    no    bueiro.    Suas    roupas    e    o    seu    corpo    ficam    sujos.    Outras    pessoas,    transeuntes,    rirão    dele,    mas    quando    o    pai    desse    menino    o    vê    naquela    condição,    o    que    fará?    Rirá    do    seu    próprio    filho?    Não,    não,    não.    O    que    fará?    Ele    mesmo    entrará    no    bueiro,    colocará    seu    menino    no    colo,    limpará    suas    roupas,    limpará    seu    corpo    e    depois    disso    dirá,    “Meu    menino,    ande    com    cuidado”.    Pecadores    são    exatamente    como    esse    menino    no    bueiro.    Está    claro?   
                                  (Discurso    nas    Filipinas,    1969)   

Agora,    a    Consciência    Suprema    tem    duas    imperfeições.    Uma    é    que    Ela    não    pode    criar    uma    segunda    Consciência    Suprema:    o    Supremo    é    sempre    um.    A    segunda    imperfeição    é    que    Ela    não    consegue    odiar    ninguém.    Suponha    que    você    não    goste    de    alguém;    você    dirá,    “Eu    não    quero    ver    a    sua    cara,    eu    odeio    você!    Saia!    Saia!”    Mas    a    Consciência    Suprema    não    consegue    odiar    ninguém.    Suponha    que    Ela    te    odeie    –    se    Ela    disser    “Saia”!    então    você    A    desafiará,    “Ó    Consciência    Suprema,    Você    está    em    todo    lugar    e    me    ordena    para    sair?    –    Para    onde    irei?    Tudo    que    existe    está    dentro    de    Você    e,    quando    Você    diz    para    sair,    para    onde    irei?    Então,    ou    mude    Seu    nome    ou    retire    a    Sua    ordem”.    Assim,    a    Consciência    Suprema    não    consegue    odiar    nem    mesmo    uma    pessoa    má,    uma    vez    que    todos    são    suas    criaturas.    Suponha    que    na    sua    mente    você    criou    um    ébrio,    um    homem    ruim.    Você    será    capaz    de    odiá-lo?    Uma    vez    que    ele    está    dentro    da    sua    mente,    você    não    poderá    odiá-lo.    Portanto,    o    Supremo    não    pode    odiar.
                    (Discurso    em    Taipei,    Taiwan,    agosto    1979)

O    que    é    dogma?    Dogma    é    uma    idéia    com    uma    fronteira    rígida,    que    não    lhe    permite    ir    além    da    periferia    daquele    limite.    Por    isso,    dogma    vai    contra    o    espírito    fundamental    da    mente    humana.    A    mente    humana    não    tolerará    nada    rígido.    Ela    quer    movimento    –    não    apenas    movimento,    mas    movimento    acelerado.    Então,    você    deve    lutar    contra    a    influência    de    dogmas.   
Foi    devido    a    esses    dogmas    que    a    sociedade    humana    não    conseguiu    progredir    apropriadamente.    Hoje,    embora    haja    progresso    intelectual,    há    uma    crise    na    civilização.    Por    que?    Porque    a    existência    humana    tem    se    colocado    em    perigo    por    causa    de    dogmas.    Os    seres    humanos    querem    progresso    psíquico    sem    impedimentos,    progresso    intelectual    sem    obstáculos.    Mas    alguns    dogmas    estão    tentando    devorá-los.    O    comunismo    é    um    deles.    O    comunismo    não    permite    que    se    pense    além    de    sua    periferia.    Então,    é    o    dever    de    todos    os    intelectuais    tornar    as    pessoas    conscientes    da    influência    devoradora    dos    dogmas.   
                                 ("Prajna    Bharati",    agosto    1980) 

O    verdadeiro    conhecimento    é    conhecer-se    a    si    mesmo.    Vocês    sabem,    existem    certas    filosofias    defeituosas    no    mundo    que    mantêm    que    o    mundo    da    matéria    é    tudo.    Quando    a    matéria    torna-se    tudo    então    a    matéria    torna-se    a    meta    da    vida.    E    a    existência    humana,    a    consciência    humana,    se    tornará    como    terra    e    pedra.    Karl    Marx    pregou    essa    filosofia    defeituosa.    Vocês    devem    manter    suas    mentes    livres    das    amarras    e    dos    grilhões    de    tais    filosofias    defeituosas    por    que    são    anti-humanas,    moralmente    anti-humanas.    São    extremamente    prejudiciais    à    existência    humana    e    ao    desenvolvimento    humano.    
(Discurso    em    Taipei,    Taiwan,    agosto    1979) 
  
A    espiritualidade    não    é    um    ideal    utópico,    mas    uma    filosofia    prática,    que    pode    ser    praticada    e    realizada    no    dia    a    dia.    Espiritualidade    significa    evolução    e    elevação,    e    não    superstição    e    pessimismo.    Todas    as    tendências    divisoras    e    filosofias    de    clã    e    de    grupo,    que    criam    grilhões    de    estreiteza    mental,    não    são    conectadas    com    espiritualidade    e    devem    ser    desencorajadas.    Somente    aquilo    que    leva    à    expansão    de    visão    deve    ser    aceito.    Espiritualidade    não    reconhece    nenhuma    distinção    não    natural    ou    diferenciações    feitas    entre    seres    humanos;    ela    significa    universalidade.
(Supreme    Expression I)

Espiritualidade    não    conhece    barreiras    ocupacionais.    É    universal.    É    transcendental.    Não    é    reservada    para    pessoas    negras    ou    brancas,    ricas    ou    pobres.    É    a    dadiva    divina    de    Deus    para    todas    as    Suas    crianças.    Espiritualidade    (dharma)    é    toda    abrangente.    É    o    direito    de    nascimento    de    todas    as    pessoas.
(Supreme    Expression    I)
Os  Pensamentos de  P.R.Sarkar

23/06/2011

BRAHMACARYA

Brahma Vicarana’na’m Brahmacaryam”.
O significado correto de Brahmacarya é permanecer conectado a Brahma.

Sempre que uma pessoa faz um trabalho, ou pensa em fazê-lo, considera o objeto com o qual entra em contato como uma entidade finita. Devido à constante aspiração por ganhos materiais, a mente é tão absorvida pelos objetos materiais que a sua consciência torna-se densa. O significado da prática de Brahmacarya Sádhaná é o de considerar os objetos com os quais a pessoa entra em contato como diferentes expressões de Brahma, e não como formas materiais. Por esta concepção, mesmo que a mente vagueie de um objeto a outro, ela não se afasta de Brahma porque extrai sentimentos cósmicos de cada objeto. Como resultado disso, Preya Sádhaná (enfoque extrovertido) é convertido em Shreya Sádhaná (enfoque introvertido) e Kama converte-se em Prema (Preya quer dizer atração pelos objetos materiais, enquanto Shreya quer dizer atração pela realidade derradeira. Kama quer dizer desejo pelos objetos finitos e Prema desejo pelo infinito).
Muitos interpretam erradamente Brahmacarya como sendo a preservação de sêmen. Deveria ser lembrado que nenhuma das duas palavras “Brahma” e “Carya” tem relação com a palavra sêmen. Além do mais, mesmo fisiologicamente, a preservação do sêmen é um blefe. Seja por causa de doenças em certas glândulas seja por outros processos similares, a menos que alguém se torne mutilado, não será possível observar esse tipo de Brahmacarya.
Sem dúvida é certo que, se o significado natural da palavra Brahmacarya (isto é, sentir a Entidade Cósmica em todos os objetos materiais) é aceito, o controle na vida do homem se torna essencial, porém, este controle não implica infligir as leis da natureza. O controle significaria seguir as leis da natureza de forma apropriada. A prevenção da perda seminal por algumas medidas apropriadas, ou a prevenção da formação de excedente através do jejum é, em geral e erradamente, denominada de Brahmacarya.
Mas, para aqueles que não são casados, este suposto Brahmacarya, (que na verdade não é Brahmacarya), tem importância, porque reduz a possibilidade de excitação sexual e, assim, previne a perda seminal, que pode ocorrer devido à excitação enquanto acordado, dormindo ou sonhando. Isto ocorreria porque, quando não há excesso de sêmen, não surge o desejo físico para despendê-lo. Posteriores considerações mostrarão, contudo, o quanto vale este suposto Brahmacarya. Não seriam a mesma coisa prevenir a formação de sêmen em excesso e a perder o excesso? Tudo o que deve ser dito é que a primeira alternativa é boa para os solteiros e a segunda para os casados.
As pessoas que, por diferentes métodos repressivos, tentam prevenir a perda de sêmen, na verdade, sofrem reações físicas e mentais negativas. Seus corpos se desenvolvem grosseiramente e falta-lhes vivacidade. A supressão do desejo sexual dá origem a outros desejos, especialmente a raiva, sob uma forma mais terrível. Em tempos muito antigos, apenas o sentido autêntico de Brahmacarya era aceito. Mais tarde, quando a sociedade foi dominada pelos intelectuais, a “intelligentsia”, os assim-chamados monges que tinham se dedicado à exploração, pensaram que, se fosse permitido a um cidadão comum dedicar-se às práticas espirituais, eles perderiam a qualquer momento o esquema de exploração, ao qual estavam apegados. Eles pensavam: “Se o homem comum for inspirado por ideais espirituais, sua racionalidade crescerá cada vez mais. Por isso, o povo deve ser mantido desamparado e indefeso. O medo e o complexo de inferioridade devem ser infundidos no homem para explorá-lo.” Eles sabiam que esta massa explorada consistia de gente comum, cuja maioria era de pessoas casadas. Se portanto, a perda de sêmen fosse declarada anti-religiosa, eles conseguiriam sua meta sem dificuldade. O intento foi imediatamente alcançado. O homem comum começou a pensar que, ao levar a vida de casado, cometia um grave erro, um pecado abominável, entregando-se a atividades contra Brahmacarya. Os monges observavam o celibato e se tornaram, portanto, muito superiores. Os assim-chamados reclusos aproveitavam-se da situação e exploravam a sociedade sem dificuldade.
Se esses monges são realmente Naesthika Brahmacariis (aqueles que não perdem nenhum sêmen), isto não pode ser decidido por argumentos. Isto só poderia ser decidido por um exame médico. Pode-se dizer, sem a menor dúvida, que muitos desses monges não passariam por esse exame.
O casamento é uma função natural, como tomar banho, comer, dormir etc. Portanto, nada há de condenável nele, nem ele é contra o Dharma. Uma vez que um homem honrado ou um Sádhaka elevado não está proibido de comer, não há qualquer razão para ele evitar o matrimônio. Porém, é preciso um controle adequado sobre o comer e o dormir, aliás, sobre cada passo da vida. A falta desse controle leva a doenças. A comida é necessária para a vida; porém, comer sem controle causa indigestão. O banho é refrescante, porém, a falta de controle do banho, isto é, o banho muito prolongado pode acarretar resfriado. Do mesmo modo, o casamento é útil, porém, a vida de casado sem controle pode causar doenças ao corpo e à mente.
O matrimônio é um pouco diferente das outras funções naturais da vida, tais como comer, dormir etc. O matrimônio não é tão essencial à vida como o comer e o dormir. A necessidade do casamento varia de acordo com o indivíduo. Por isso, segundo a opinião da Ananda Marga, cada indivíduo tem liberdade completa no que concerne ao casamento. Por exemplo, o casamento de pessoas que sofrem de doenças físicas ou mentais, ou as que não estão bem de finanças, ou que se acham em circunstâncias não favoráveis ao casamento (ou seja, se o casamento puder causar infelicidade), não é desejável. Aqueles que estão constantemente comprometidos no cumprimento de um ideal ou aqueles que têm de passar a maior parte do dia ganhando a própria subsistência ou com outras ocupações mentais, não deveriam se casar, porque eles não poderiam cumprir seus deveres familiares adequadamente. O casamento de tais pessoas é nocivo à sociedade em muitos casos.
Embora o casamento não seja recomendável àqueles que têm certas doenças, ou que estejam em condições pessoais desfavoráveis ao casamento, existe a possibilidade de eles se entregarem a vícios velados, devido ao fato de não serem casados. Para evitar essa possibilidade, eles devem se esforçar para atingir um ideal elevado ou se engajar em práticas espirituais laboriosas [serviço social]. A degeneração psicológica resultante da supressão das tendências naturais pode ser evitada apenas com o esforço para realizar um ideal elevado.
Foi dito anteriormente e continuo a repetir que o homem deve exercer o autocontrole em cada aspecto da vida, seja ele grande ou pequeno. Este controle não implica suprimir o desejo, mas sim controlá-lo. Desejos e tendências são atributos naturais dos seres humanos. Portanto, para aqueles que desejam suprimir os desejos, melhor seria adotar um método mais fácil, ou seja, o suicídio, ao invés de buscar práticas espirituais difíceis. Eu não vejo nenhuma razão que justifique o suposto Brahmacarya adotado por shaevas, shaktas, vaesnavas, ou aqueles que acreditam nas Puranas, porque seu Deus — Shiva, Visnu, Krs’n’a e outros mais — eram pessoas comuns. As Puranas mencionam os nomes de suas esposas e seus respectivos filhos.
O Dharma é baseado em Satya. Dharma Sahna Yatra na Satyamasti”. “Onde não há Satya não há Dharma”.
A interpretação errônea de Brahmacarya pode conter qualquer coisa, exceto Satya. Portanto, não há Dharma ou Brahma nela.
O homem deve progredir ao máximo, aceitando o que é simplesmente a verdade. Este é o caminho de um Sádhaka; este é o caminho de Dharma. Pode ser um privilégio dos profissionais religiosos parasitas negar o que é simplesmente a verdade na vida prática, porém, nesse caso a santidade de Dharma não é mantida. Não é o caminho de Satya; é o que se chama de hipocrisia.
                                      Shrii Shrii Ánandamúrti - Um Guia para a Conduta Humana

14/06/2011

BRAHMA - SER SUPREMO

            Muitas pessoas crêem em Deus como um ser pessoal, criador do universo, e que vive no céu. Oram a esse Deus para pedir ajuda, especialmente quando têm problemas. Em tal crença, Deus está fora da pessoa.
            Na Ananda Marga não se considera a Deus como um ser pessoal, fora da própria pessoa. Deus pode ter diferentes nomes, mas há só um Deus, que chamamos de Brahma.
            Brahma, Ser Supremo, Aquele que abrange tudo. Não pode existir nada maior que Brahma, uma vez que o universo está contido n'Ele. Nada pode existir fora de Brahma: Brahma é a própria criação e também já existia antes que a criação visse a existir.
            Ananda Marga professa um monismo absoluto, afirmando que Brahma é tudo e tudo é Brahma. Ao mesmo tempo dá importância à criação, como sendo uma expressão de Brahma. Todas as diferentes manifestações que encontramos neste universo são diferentes formas e manifestações de Brahma, que é a essência de todas as coisas.
            Brahma é infinito, maior que tudo, tendo também a capacidade de tornar infinito aos outros. Quando meditamos em Brahma e fazemos sinceramente nossas práticas espirituais, sentindo amor a Deus e servindo à humanidade, podemos nos unir com Brahma e voltar a ser infinitos. Somente o ser humano pode experimentar e realizar a grandeza de Brahma. Os animais não podem obter a realização de que Brahma é a vida de nossas vidas, a mente de nossas mentes, o centro de nosso ser, porque não podem meditar. Os seres humanos têm essa capacidade e, por conseguinte, devem desenvolvê-la.
            Outra característica de Brahma é que Ele não pode ter ódio. Brahma é só amor. Tudo é amor. Portanto, nenhum ser humano deve temer a qualquer coisa ou alguém, pois Brahma sempre nos ama. Brahma é a fonte da Energia Cósmica, do amor, e quando direcionamos nossas mentes para Brahma não há qualquer motivo para temer.
            Todo ser humano tem o direito de receber o amor de Brahma como um menino tem o direito de receber o amor e a afeição de sua mãe. Não impor­ta quais sejam nossas faltas e fraquezas, Brahma sempre nos acolhe como seu próprio filho. Mesmo que tenhamos feito coisas más e negativas! Quando direcionamos nossas mentes para Brahma, com fé e sinceridade, Ele se revela para nós e outra vez podemos ir a Seu encontro. O inferno é um conceito que não existe na Ananda Marga, mas poderia significar as provações sofridas devido às nossas ações incorretas. Porque é natural que soframos pelas coisas negativas que fazemos e que fiquemos felizes pelas coisas boas que desenvolvemos. Sempre receberemos as conseqüências de cada uma de nossas ações; esta é a lei da natureza, da qual não se pode escapar.
            Brahma é composto de Parama Purus’a (Consciência Cósmica) e Parama Prakrti (Energia Cósmica). A Consciência Cósmica não pode ser explicada, é a essência de toda a criação e também existe além da criação. A Consciência Cósmica não faz absolutamente nada, só testemunha as ações e as reações que ocorrem no Universo. É por meio da Consciência Cósmica (Parama Purus’a) que sentimos atração por Brahma. A Consciência Cósmica existe em todas as coisas, mas não podemos vê-la. A única maneira de saber se a Consciência Cósmica realmente existe é por meio da meditação. Na meditação podemos elevar nossa consciência individual até o nível da Consciência Cósmica de Brahma e podemos realizar e experimentar a grandeza de Brahma.
            Parama Prakrti, ou Energia Cósmica, é o princípio qualificador da Consciência Cósmica. Tudo o que vemos, ouvimos e sentimos são diferentes formas de energia. Em Sua essência, Brahma é somente um, mas por meio de Sua Energia Cósmica, ou Seu princípio operativo, Ele se manifesta em diferentes formas.
            A Consciência Cósmica não pode existir sem a Energia Cósmica, pois ambas só são diferentes aspectos de Brahma. A Energia Cósmica é o princípio qualificador da Consciência Cósmica, assim como a característica do fogo é queimar e a característica do leite é ter a cor branca. Como o rico demonstra sua riqueza por meio dos valores depositados em um banco, da mesma forma a Consciência Cósmica se manifesta no universo criado por meio de Sua Energia Cósmica. Da mesma forma como os dois lados de uma folha de papel são interdependentes, também a Consciência Cósmica é interdependente da Energia Cósmica dentro do Ser Supremo, ou Brahma.
            Brahma é a entidade mais abrangente que todas as outras entidades e nada pode existir fora d'Ele. Todas as manifestações existentes neste universo são diferentes formas de Sua Energia Cósmica, de Parama Prakrti.
            O ser humano consiste de corpo, mente e alma. O corpo e a mente são diferentes expressões da Energia Cósmica. A alma, ou a consciência individual, nada faz, só testemunha as ações mentais e as ações físicas (as ações físicas são expressões das ações mentais). Dessa maneira, entendemos facilmente que nossa alma ou nossa consciência individual é o que há de mais profundo em nós. O corpo, por meio dos sentidos (audição, tato, visão, paladar e olfato) capta as vibrações (ondas) do mundo externo e as transmite através dos nervos até o cérebro, e este até a mente, e a mente transmite essas ondas de pensamentos até a alma, para que esta testemunhe todas as ações do corpo e da mente.
            A mente e a alma (atma) podem ser comparadas a dois pássaros sentados no ganho de uma árvore. Um dos pássaros come uma fruta e sente prazer ao comê-la, mas após comer muito, poderá se sentir pesado, experimentando a reação de sua ação. O outro pássaro só testemunha sua ação, mantendo seu estado de tranqüilidade e paz. Sente-se feliz em apenas observar como seu pássaro amigo está se deliciando da fruta, mas não é afetado pela ação de comer nem pela reação. Assim, a mente sempre está conectada com o mundo externo, sentido às vezes prazer, às vezes tristeza; desfrutando às vezes de bonança, às vezes de pobreza. Dessa forma, nunca poderá obter felicidade permanente, nem tranqüilidade, nem paz. Mas nossa alma, nossa consciência individual, que é um reflexo da grande Consciência Cósmica de Brahma, sempre está repleta de paz e tranqüilidade e nunca é afetada pelas aflições do mundo externo. Através da meditação em Brahma, estamos afastando nossas mente do mundo externo e dirigido-a para nosso interior, nossa alma, nossa consciência individual (atma). Por esse processo de meditação, podemos alcançar o estado de Ananda, ou seja, a bem-aventurança eterna, a felicidade infinita.     
            A Consciência Cósmica (Parama Purus’a) necessita da Energia Cósmica (Parama Prakrti) para se manifestar na forma do universo; como o indivíduo necessita do ego para se manifestar na esfera social. A Energia Cósmica despertada se expressa em diferentes formas. Ela está dividida em três diferentes tipos de energia, três diferentes forças.
            O primeiro tipo é a energia sutil (sattvaguna), que provê o sentido de existência (mahat), o sentimento de “eu sou". A energia sutil da felicidade, do sentimento de amor, de estar livre de todas as amarras, limitações e obscuridades.
            O segundo tipo de energia é a energia mutatória (rajaguna), o agente da transformação, que dá o sentido da ação (aham), o sentimento de “eu sou aquele que faz, lê, escreve e fala". Esta energia se mantém sempre ativa e opera como elemento de ligação entre o princípio sutil e o princípio estático.
            O terceiro tipo de energia é a energia estática (tamoguna), que provê o sentido de objetividade (citta), o sentimento do "eu objetivado". A energia estática manifesta o resultado da ação que ocorre por conta da energia mutatória e também permite experimentar o resultado das ações. A energia estática cria a obscuridade, a limitação e a infelicidade, direcionando nossas mentes para o mundo externo, no qual nunca poderemos encontrar a felicidade e a tranqüilidade duradoura.
            A força estática nos leva à obscuridade, à morte, à matéria. A força mutatória não causa danos, mas tampouco nos ajuda a progredir em nossa caminhada até Brahma. A força sutil, embora também nos limite, pelo menos nos ajuda em nosso esforço pelo aperfeiçoamento espiritual. Para o aspirante espiritual, é necessário utilizar a energia sutil para manter-se no caminho espiritual.
            Causar danos aos outros, mentir, roubar, desfrutar de vida luxuosa, comer carne, peixe, ovos, cebola, alho e cogumelo, ingerir bebidas alcoólicas, fumar, usar drogas, são ações dominadas pela energia estática, as quais o aspirante espiritual deve evitar.
            Viver intranqüilo, fazer várias coisas ao mesmo tempo, ingerir café ou outros estimulantes são ações dominadas pela energia mutatória e um aspirante espiritual deve, dentro do possível, abster-se desses itens.
            Viver de modo simples e tranqüilo, manter a mente, o corpo e o ambiente puros, estudar coisas boas e elevadas, fazer serviço à humanidade (sem visar a beneficio próprio), praticar posturas de yoga (ásanas) e meditação, ter hábitos higiênicos e comer verduras, frutas, produtos lácteos, grãos, castanhas etc. são ações dominadas pela energia sutil, e a pessoa que vive deste modo certamente progredirá no caminho espiritual.
            Esses três tipos de energia são forças belicosas (em luta), que estão sempre juntas. A luz não poderia existir se não houvesse a escuridão, e o bem não poderia existir sem o mal; mas somente através do bem (a energia sutil ou sattvaguna) podemos alcançar a Brahma. O mal nos leva à infelicidade e à morte, é um processo que destrói a integridade do ser humano. O bem nos leva à felicidade e à vida eterna, é um processo que conduz à união com a Consciência Cósmica.
            Cada ser humano tem em si mesmo tanto o aspecto da negatividade como o da positividade. Temos instintos de ódio, destruição, ciúme, sexo e pessimismo assim como sentimentos de amor, afeição, sinceridade, serviço desinteressado e otimismo. Nosso progresso só é possível quando fortalecemos os aspectos positivos dentro nós mesmos para lutar contra a negatividade ou a imoralidade.
            Na sociedade humana, essas três forças estão presentes. Quando a imoralidade domina a política no mundo, há guerra, exploração e corrupção; as pessoas sofrem e não podem progredir nos diferentes campos da vida. Se a força sutil predominasse no mundo, poder-se-ia criar uma ordem mundial em que todas as pessoas pudessem atender suas necessidades básicas, como alimento, moradia, vestuário, assistência médica e educação física, mental e espiritual. Um mundo onde haja justiça e que seja administrado por pessoas moralistas e espiritualistas, no qual se dê a oportunidade a cada pessoa, sem distinções, de progredir em todos os aspectos da vida e dessa maneira construir um mundo justo e feliz, que progrida até o ideal cósmico.
            As pessoas espiritualizadas têm o dever de fortalecer as forças positivas no mundo através de seu progresso individual e têm de se unir para impedir a expansão das forças negativas no mundo.
      "É a ação que torna grandioso o indivíduo. Seja grande por seu esforço pelo seu progresso espiritual, por seu serviço desinteressado à humanidade e por seu sacrifício em estabelecer uma sociedade melhor ."
      "A espiritualidade não é um ideal utópico, mas sim uma filosofia prática, que pode ser utilizada no dia-a-dia. A espiritualidade significa evolução e elevação e não tem nada a ver com superstição ou pessimismo. Todas as tendências desagregadoras impedem o aperfeiçoamento da humanidade e não estão conectadas com a espiritualidade. Somente aquilo que nos leva à expansão de nossa visão deve ser aceito. A espiritualidade não reconhece as diferenciações entre os seres humanos; a espiritualidade significa a fraternidade universal”.
        “Para construir algo em bases humanitárias é preciso estar baseado no verdadeiro amor pela humanidade. Uma sociedade realmente benevolente nunca poderá ser estabelecida sob a liderança de pessoas egoístas. O egoísmo não surge onde o amor é o principal fator. O ingrediente para construir uma sociedade saudável é simplesmente o amor genuíno".
                             Shrii Shrii Ánandamúrti
                                                              Texto elaborado segundo ensinamentos de Shrii Shrii Ánandamúrti.