27/12/2013

Dogma & Human intellect P1 - Discourse by Shrii PR Sarkar



Dogma and Human Intellect
P.R.SARKAR-22 September 1979 RU, Kingston
Today’s subject is “Dogma and Human Intellect.” What is the human intellect for? A human body has three functions: its crude physical movement and physical progress, its intellectual progress, and its spiritual progress. So far as intellect is concerned, it has two duties: to think and to remember.
What do we mean by “thinking”? What is thinking? The human mind is a collection of ectoplasmic stuff. And whenever we create any figure [in the mind] with the help of that ectoplasmic stuff, we say it is a thought – that we are thinking. To think means, then, to speak internally, and according to what we speak, we create a figure.
Although different inferences have got different implications for the human mind, the more important, rather, the two most important, inferences are visuality and audibility. What we create in the mind, we speak mentally and at the same time we hear mentally. “I’ll go to Delhi.” – when you think like this, you utter this sentence mentally: “I – will – go – to – Delhi.” And you hear mentally the sound “I – will – go – to – Delhi.” And at that time mentally you see the picture of Delhi, either a projection of the actual external Delhi or an imaginary figure of Delhi that you created.
Now, what we think, sometimes we think from the extro-internal projections and sometimes from the memory. When we see an elephant [externally], at that same moment we see it mentally; and when we see it mentally, then we feel that we are actually seeing the elephant. And sometimes without seeing an elephant you can remember an elephant. That is, in your memory you can create an elephant. It is an act of re-creation.
Now, human knowledge or knowing is divided into two portions; that is, the compartmentalized object may be of two types – one direct and the other taken from memory.
It is said that knowledge or the knowing faculty is infinite. Then, if the knowing faculty is infinite, is the human brain or human cranium infinite? No, certainly not. The cranium is something finite, something very little. And the human brain, although it has immense potentialities, is finite. Its qualities are very big, but not infinite.
Human thought-waves and human knowledge may be directed towards two objects. One is the objective psychic stance, and the other is the objecto-subjective spiritual stance. When it is the objective psychic stance, then as a result of that objective movement on the psychic level, what happens? The mind becomes bigger and bigger. And in order to serve the purpose of the mind, both the nerve-cells and the nerve-fibres of the human brain also become stronger and bigger. As a result of this enlargement of the nerve-cells, what will happen? In the future, the human cranium will become bigger, and limbs and other parts of the body will become lean and thin. But it is also a desired future for humanity, because when the mind will be developed, what will happen? Spiritual progress will be easier.
And the other psychic approach is objecto-subjective, or you may say, the subjecto-objective spiritual stance. In that case, you withdraw different mental faculties or propensities and make them pinnacled. And when those mental faculties are apexed, then what do you do? You offer that pinnacled human mind at the altar of the supreme spirituality. This is the spiritual approach.
Now, if anyone says that in human life knowledge has little value or no value, that person will not be cent percent correct. In spiritual progress, if the knowledge, or the course of knowledge, or the avenue of knowledge, is subjective physicality, then in that case the progress may be delayed, but it will not be blocked forever. For intellectuals, spiritual progress is always delayed, and the reason is this – that their intellectual body goes on increasing, but for want of the apexed mentality, the goal remains far away. But when the intellectual body is highly enlarged, it is sure to become one with the Macrocosm. And when this enlarged ectoplasmic structure becomes one with the Cosmic ectoplasmic structure, certainly a person will feel his oneness with the Supreme.
For spiritual aspirants, this type of intellectual progress may be meaningless, may be treated as superfluous; but for the all-round progress of human society, for human society as a whole, this type of intellectual progress cannot be discouraged, must not be discouraged; rather it should be encouraged.
I want that our boys and girls who are intellectually developed, or who want intellectual development, should encourage this intellectual progress of human society, which will finally help human society in all types of progress. I hope you boys and you girls will feel, will realize, the utility of intellectual progress, and start your RU [Renaissance Universal] clubs in all towns and even in all big villages of the world.
22 September 1979 RU, Kingston

05/12/2013

DEFEITOS DO COMUNISMO

Algumas pessoas dão palestras eloqüentes sobre economia e filosofia e convencem outros de que suas idéias e teorias garantem a independência econômica e podem uní-las. Elas consideram apenas a utilidade que os outros têm; não se importando de lhes dar qualquer incentivo, inspiração ou estímulo ao trabalho e de reconhecer o valor especial da eficiência individual. Quando dão palestras superficiais e professam slogans vazios, elas, na verdade, de forma subreptícia, estão criando desagregação artificial entre os seres humanos. Quando surge mesmo um pequeno ataque a estes sentimentos de desunião, eles se defendem e afirmam que estão envolvidos em questões políticas, as quais não podem ser caracterizadas como crimes sociais, e que não podem ser penalizados.

Muitas pessoas adotam cegamente dogmas de famosas religiões. Uma religião é uma coletânea de “ismos”, e um “ismo” é uma coletânea de dogmas. (Na linguagem comum, religião é equivalente ao termo sânscrito dharma, porém, em linguagem filosófica, “religião” e dharma não são a mesma coisa). A religião que define idéias abstratas relacionadas à consciência unitária, à Consciência Suprema e ao mundo manifesto não é o único tipo de religião. Também, há alguns “ismos” baseados em vários tipos de dogmas que soam e funcionam como a religião da esfera sócio-econômica. Como certas religiões que, com freqüência, orientam incorretamente seres humanos, incitando-os ao conflito comunitário, também esses “ismos” específicos causam a degeneração da raça humana ao nível da animalidade, em nome da luta de classes.

As pessoas que seguem uma mesma religião podem se dividir em vários grupos e subgrupos. Por exemplo, o jainismo tem as seitas Shveta’mbar, Digambar e Thera’panthii. Entre os budistas há as seitas Maha’ya’nii, Hiinaya’nii, La’ma’va’dii, Sthavirva’da, Sammitiiya etc. Da mesma forma, no que diz respeito à religião sócio-econômica, pode-se notar que um determinado partido político ou econômico se fragmenta em diversas tendências, devido a pequenas diferenças de opinião.

Isto já aconteceu, está acontecendo agora e continuará a acontecer no futuro. Portanto, devemos compreender esse fenômeno claramente. Da mesma forma que o mundo hoje padece sob intensa opressão das religiões, também ele se desintegra diante da ameaça alarmante da religião sócio-econômica.

Os seres humanos civilizados e que amam a paz devem encontrar uma forma de se proteger desses problemas. Eles devem agir. No caminho da moralidade, os seres humanos seguirão rumo à liberação, com perseverança e racionalidade. Não há outra possibilidade.

P.R. Sarkar -  Calcutá, 10 de abril de 1988 Shabda Cayanika’ - Parte 1  

Dharma significa retidão. O dharma está sempre firme em uma posição, enquanto os seres humanos estão sujeitos a variações. Às vezes, os seres humanos abandonam o caminho do dharma e causam danos a si mesmo e à sociedade, em conseqüência de intelectos mal-orientados, filosofias imperfeitas, más companhias e orientação incorreta.

Recentemente, vocês devem ter visto marxistas que clamavam em altos brados, até ficarem roucos, não aceitar o dharma. Agora, juntamente com seus líderes, eles caíram na armadilha da própria filosofia inconsistente. Eles mataram centenas de milhares de pessoas simples e inocentes, sob alegações levianas, sem sequer submetê-las a qualquer julgamento. Foi isto um ato humanitário? Esse genocídio bestial ocorreu porque os marxistas se desviaram do caminho do dharma.

Hoje em dia, tais pessoas merecem a condenação severa por parte da humanidade. É um pecado desperdiçar o dinheiro público na construção de monumentos colossais ou estradas, em memória a essas pessoas. Até alcançarem o poder político de um país, esses hipócritas repetem os agradáveis slogans da democracia como papagaios, meramente para o consumo público. Mas, uma vez no poder, sem nenhum escrúpulo, eles jogam a democracia no cesto de lixo e reduzem a pó as sensibilidades humanas sutis e os valores humanos superiores sob o rolo compressor de uma ditadura de partido impiedosa.

P.R. Sarkar - 10 de julho de 1988, Calcutá Shabda Cayanika’ - Parte 17

O termo “comunismo” deriva da palavra “comuna”, que consiste no prefixo “co” e na raiz “muna”. “Co” significa “juntos” e “muna” significa “fazer alguma coisa”, portanto, “comuna” significa “fazer alguma coisa juntos”. “Comuna” mais “ismo” é igual a “comunismo”. O termo “comunismo” só é aplicável onde há o sistema de comuna. Aqueles que seguem o sistema de comuna são comunistas. No sistema comunista não há uma relação que estimule as pessoas a fazer algo juntas, pois tudo é imposto do âmbito superior. Assim, a palavra “comuna”, como usada por Karl Marx, é imprópria e falaciosa.

Embora Marx tenha professado muitos conceitos, nossa discussão aqui é se restringe àquilo que, em sua filosofia, vai de encontro à psicologia humana. Isto é, estamos preocupados apenas com a parte de sua filosofia que pretende construir castelos de areia.

O comunismo baseia-se em uma filosofia materialista rudimentar. A meta é aproveitar o que é produzido, submetendo todos a privações. Não há chance de se conduzir a mente num fluxo intelectual direcionado para a entidade mais elevada. Quando a mente absorve a forma do objeto — quando a mente toma a forma do seu objeto — quer o objeto seja denso ou sutil, a mente é pulverizada. A tendência natural da mente é decair, mas quando a ideação se fixa na entidade mais sutil, ela lentamente se converte em espírito. Um aspirante espiritual deve elevar sua mente.

Quando o objeto da mente é sutil, ela se torna sutil, e quando a sutileza se estabelece na estrutura psíquica, o poder do pensamento é desenvolvido, permitindo o surgimento de idéias mais elevadas. Se a pessoa concentra-se em temas materialistas, a mente se torna densa e materialista. Se a mente meditar sempre no sistema de comunas, ela se tornará sutil ou densa? Certamente ela se tornará densa, porque o sistema comunista é desprovido de humanidade e moralidade. A própria teoria do comunismo torna a mente densa.

O comunismo não consegue estabelecer um ambiente apropriado ao desenvolvimento de uma forte e sólida estrutura psíquica e intelectual. Por este motivo, a força moral — a santidade moral — não existe em países comunistas. Tal fenômeno ocorreu na Índia, no período imediatamente anterior ao da era budista, por causa da influência da filosofia Ca’rvaka. A filosofia Ca’rvaka, embora fosse de natureza materialista, surgiu em protesto contra a superficialidade védica. Durante esse período não havia um mínimo sequer de moralidade — a sociedade perdeu toda sua força moral. Hoje a mesma coisa está ocorrendo e continuará a ocorrer nos países comunistas. Em países comunistas não há nenhuma santidade em relação à vida moral — a sociedade não possui princípios morais.

Em nome dessa teoria inconsistente um dos governantes da [ex] União Soviética assassinou mais de 500 mil pessoas e enviou muito mais do que isto aos campos de concentração, na Sibéria. Dentre todas as teorias anti-humanas e homicidas estabelecidas neste mundo, o comunismo é a mais bárbara. É chegado o dia de atirá-la para sempre no cesto de lixo.

Há alguns dias saiu num jornal uma reportagem relatando que na China comunista nascem um milhão de crianças ilegítimas por ano. Isto é uma prova de que o comunismo encoraja a imoralidade. Se esta imoralidade prosseguir desenfreadamente, ela devorará a humanidade e causará a decadência moral da ordem social. Um certo dia, toda a estrutura social será desmantelada. Não podemos tolerar tal filosofia. O simples ato de pensar nessa filosofia causa repugnância.

Os países cujos cidadãos são trabalhadores e têm intelecto desenvolvido nunca aceitaram o comunismo. Por exemplo, Karl Marx nasceu na Alemanha, mas esta teoria não foi aceita nesse país. Da mesma forma, a Inglaterra acolheu Marx, mas não aceitou sua teoria. O movimento cooperativo teve início na Inglaterra e o espírito de cooperação se reflete em muitos aspectos da sociedade britânica; por conseguinte, o marxismo não foi capaz de se firmar na Inglaterra. O Japão está cercado por países comunistas, como a Coréia do Norte e a China, [inclusive, no passado, a União Soviética], mas não aceitou o comunismo. Os cidadãos desses países, bem como os de outros países, são trabalhadores e, também, têm o intelecto desenvolvido, daí o fato de terem rejeitado o comunismo. Algum tempo atrás, na Índia, alguns estudantes talentosos costumavam selecionar o marxismo como a melhor dentre tantas outras teorias falhas, mas eles não a adotavam como ideologia de vida. Hoje, a nata dos estudantes universitários não se sente mais atraída pelo marxismo, por ser um símbolo do vazio intelectual.

A atitude de intelectuais com relação ao comunismo deveria ser semelhante ao ataque do furão contra a cobra. Do mesmo modo que é natural para o furão devorar a cobra, também as pessoas intelectualmente desenvolvidas podem facilmente expor os defeitos do marxismo.

A filosofia de Gandhi se extinguiu antes de a Índia conseguir a independência — morreu muito antes do próprio Gandhi. Mas o comunismo sobreviveu por muito tempo após a morte de Marx. Sobreviveu somente devido ao poder das armas e à constante propaganda. Se uma coisa é freqüentemente alardeada, então, as pessoas começam a pensar que há alguma verdade no que está sendo propagado. Por exemplo, se alguém diz constantemente que Gopal é um menino muito mau, então, as pessoas um certo dia passarão a acreditar no que ouvem. Gopal se tornará um mau menino para eles. Os comunistas estão sempre se vangloriando de sua teoria. Por isso as pessoas recebem lavagem cerebral e, nessa condição, é muito fácil terem idéias incorretas injetadas em suas mentes. Através da constante propaganda de sua teoria inconsistente, os comunistas treinam as pessoas que lhes dão apoio, mas elas sofrem de debilidade intelectual. Quando os intelectuais lhes perguntam qualquer coisa que não são capazes de responder, elas ficam revoltadas.

Nos países comunistas os líderes de partido usavam todo o poder e todos os meios possíveis — forças armadas, terror e cerceamento da liberdade de expressão — para manter o povo oprimido. Mas hoje os líderes comunistas conscientes se revoltam contra esses métodos. Esta é a razão pela qual a China não conseguiu suprimir, por um longo tempo, os movimentos estudantis. Os países comunistas estão abandonando o inconsistente sistema de comunas, uma vez que ele gera penúria, em virtude da escassez de alimento, e também porque tal sistema roto afeta a saúde da sociedade. Os próprios líderes comunistas, que se passavam como "orientadores", abandonaram o caminho do comunismo. Já estava claro que o marxismo havia falhado na teoria, mas agora ele fracassou na prática também, nos países em que foi adotado. Os pecados cometidos pelo marxismo foram a causa de sua aniquilação.

Qualquer teoria, princípio, idéia ou proposição deve estar baseada em alicerces firmes. Esta é uma necessidade fundamental. Tudo que está relacionado aos mundos físico e psíquico se move no âmbito dos três fatores relativos supremos: tempo, espaço e individualidade. As teorias e proposições não são exceções a esta regra.

A democracia é um tipo de progresso procrastinado — o progresso não tem dinamismo nem aceleração. Na democracia capitalista o voto pode ser comprado. Deste modo, as pessoas pobres não podem ser eleitas. Seria possível haver algum ajuste entre pseudo-capitalismo e pseudo-comunismo, como se tentou fazer no euro-comunismo? O pseudo-comunismo foi professado por Adolf Hitler e Mussolini. O pseudo-comunismo se parece com o comunismo, mas na prática não. Entre os nacional-socialistas da Europa incluíam-se Mussolini, na Itália, Hitler, na Alemanha, e Franco, na Espanha.

A proposta comunista não tem um alicerce firme onde possa se sustentar. Sua própria base é oscilante. Não é nem uma teoria, nem um princípio, nem uma proposição. O comunismo de hoje pode ser chamado de “revisionista” ou de “pseudo-revisionista”. “Pseudo” é uma palavra de origem germânica. Não significa “falso”. Significa “até certo ponto o original, mas não exatamente o original”. Qualquer política pseudo-revisionista está contra o princípio da potencialidade vital — está contra a potencialidade existencial. É um movimento contra-psíquico e nocivo à germinação da força vital, portanto, não deveria nunca ser aceito. É como o brilho temporário de uma chama — perdura apenas por um curto período de tempo —, então, após sua pesarosa extinção, não deixa nenhuma marca permanente para a história humana. Este será o destino do comunismo. É uma política ou proposição baseada no pseudo-revisionismo.

Tal pseudo-revisionismo é contrário à potencialidade existencial e por isso deve ser descartado na fase inicial. É um fenômeno afeto apenas ao mundo da intelectualidade. Por isso, o comunismo teve sua morte precipitada.

Se qualquer teoria inconsistente se propaga por um longo tempo, quando finalmente se desencadeia uma reação contra ela, esta reação tem duração curta e é imensamente destrutiva, como um furacão. Hoje o comunismo está ardendo no fogo de seu próprio fracasso e é a tarefa de vocês adicionar combustível a esse fogo.

Toda a sociedade humana terá de suportar a expiação dos pecados cometidos pelo comunismo — nem mesmo os inocentes serão poupados. Essa perigosa teoria cometeu muitas atrocidades contra a sociedade, e continuará a fazêlo, até que seja abolida, não só em teoria como também em nome. Embora o comunismo esteja morto em teoria, continua a existir em nome. Como esta teoria é extremamente prejudicial à existência humana vocês devem se garantir de que ela será erradicada também em nome, o mais rápido possível.

P.R. Sarkar - Calcutá, 14 de julho de 1988

07/11/2013

ABORDAGEM SUBJETIVA ATRAVÉS DE UM AJUSTAMENTO OBJETIVO

À proporção que a esfera do conhecimento aumenta, muitos segredos do mundo deixam de ser segredo. O Yoga é um desses segredos. É um culto, e, pela prática desse culto, a pessoa entra em contato com os fatores causais de muitos segredos. Há cerca de 7000 anos, um grande iogue, Sada’shiva, sistematizou diferentes ramos do Yoga. A sua esposa, Pa’rvatii, também era uma yoguini e, para o bem-estar de toda a sociedade humana, o Senhor Shiva e Pa’rvatii deram tudo de si para criar um culto prático. As questões formuladas por Párvatii a Shiva e as repostas dadas por Ele formam conjuntamente os Shastras.


Agora, muitas questões importantes da mente humana foram feitas a Shiva. Estas perguntas, isto é, a parte que diz respeito às perguntas é conhecida como Nigama; e a parte que diz respeito às respostas, como Ágama. O nome que engloba os dois, Nigama e Ágama, é Tantra.
Uma vez Párvatii perguntou a Shiva: “Oh, Senhor! Para muitas obrigações, muitas responsabilidades existe um mínimo de qualificações prescritas; para um determinado trabalho, certas qualificações são necessárias. Assim, para alcançar a salvação, qual é a qualificação mínima?Shiva disse que a qualificação mínima para alcançar a salvação é apenas possuir um corpo e uma mente humana. Isto é suficiente. Não há barreiras raciais, ou de cor, ou de lugar, ou barreiras de qualquer tipo. Ele disse:

“A’tmajina’namidam’ devi Param’ Moks’aaekasa’dhanam,
Sukrtaerm’navo Bhu’tva’ Jina’niice Moks’ama’pnuya’t.”

“Para alcançar a salvação é preciso conhecer a si mesmo; e, ao conhecer a si mesmo, atinge-se a salvação.”

Agora, vejamos o que é conhecimento e o que é autoconhecimento. O que é auto-realização? A mente humana possui três tipos de movimento. O primeiro é a projeção extro-interna, quer dizer, o objeto externo move-se para o âmbito interno da existência. O segundo tipo é a projeção intro-externa. Neste, o sentimento surge do âmbito interno e é expresso no mundo físico. E o terceiro é o movimento da mente em direção ao espirito.
Geralmente, “conhecer” significa a subjetivação da objetividade externa. Quando o objeto externo se unifica à porção objetiva da mente – o que ocorre na câmara objetiva da mente – chama-se a isso de conhecimento ou capacidade cognitiva. E o que é autoconhecimento ou auto-realização? Neste caso, a mente conhece o espírito, isto é o movimento da mente é em direção ao espírito. Agora, como pode a mente conhecer o espírito, quando o Espírito Supremo, o Parama Pitá, a Entidade Suprema, é a Entidade Onisciente, a única Entidade Onisciente deste mundo? O Ser Supremo, Parama Purusá, é onisciente. Ele não apenas vê o que você está contemplando e quais as ondas de pensamento de sua mente. Ele é onisciente, e você é o objeto d’Ele. Ele vê o que você faz. Ele é o sujeito, e você é o objeto. Come pode, então, a mente conhecê-Lo? Quer dizer, como pode a mente ser o sujeito e Ele o objeto? Ele vê a sua mente. Como pode a sua mente vê-lo? Como pode a sua mente aceitá-Lo como objeto e ser o sujeito? Aí está o segredo d’Ele. Qual é o segredo? Isto é, o que quer que você esteja fazendo, o que quer você esteja pensando, você deve sempre se lembrar de que suas ações, seus pensamentos estão sendo testemunhados por Ele. Se você lembrar disso, Ele permanece como o sujeito e você como o objeto.
Mas, o que acontece? Por você estar sempre pensando em Parama Purusá, Ele indiretamente também se torna o objeto, embora, na verdade, Ele seja o sujeito e você o objeto, já que Ele é a Entidade que tudo testemunha. Esta é uma política inteligente do devoto. Os devotos são muito inteligentes, não apenas inteligentes mas também muito espertos. Devido às suas mentes desenvolvidas, às suas mentes e aos seus intelectos elevados ao mais alto grau, eles trazem a Entidade Suprema para dentro da periferia de suas mentes. Portanto, o caminho da devoção ou o caminho da espiritualidade é para aqueles que são extremamente inteligentes ou espertos. Aqueles que pensam que Parama Purusá não os está vendo são os mais tolos dos tolos.
O Senhor Shiva disse que a mínima qualificação é uma mente e um corpo humanos, e com a ajuda deles qualquer um pode alcançar a salvação. As pessoas podem entrar em contato com Ele, porque é somente a mente humana que pode pensar que Parama Purusá está testemunhando todas as Suas atividades e todos os Seus pensamentos. Quando a pessoa se estabelece nessa posição, se diz que ela alcançou a salvação.
Existem tantos seres criados. Estes fatores qüinqüelementares do mundo – ar, água, terra etc. – também são criações cósmicas, porém suas mentes estão em uma condição inerte. Elas não podem funcionar independentemente. No caso dos protozoários, existe a mente, mas ela é guiada por instintos inatos. No caso das plantas, existe a mente, mas também é guiada por instintos inatos. Não há neles o pensamento independente. No caso dos animais, no caso dos metazoários, há o instinto inato, mas não o pensamento individual. Mas no caso dos metazoários desenvolvidos, dos animais desenvolvidos, existe um pouco de mente independente, e, entre estes metazoários desenvolvidos, aqueles que entram em contato com os seres humanos, como resultado de choques e coesões no mundo intelectual e na estrutura intercelular, suas mente se desenvolvem um pouco mais, como os cães, os macacos etc. Eles possuem um mente mais desenvolvida por estarem em contato íntimo com os seres humanos. Porém, no caso dos seres humanos, a mente se torna altamente desenvolvida, e, com essa mente desenvolvida, uma pessoa pode sentir que, o que quer que ela faça, o que quer que ela pense está sempre sendo testemunhada por Parama Purusá. Ninguém pode fazer nada secretamente. Agora, todas as coisas são criações do Pai Supremo, porém, na fase da introversão [Prati-Saincara1], como resultado de choques e coesões, a mente se desenvolve, e o estágio do homem, dos seres humanos, é o mais desenvolvido no processo da introversão. Portanto, os seres humanos são abençoados, porque eles podem sentir o charme, o amor e a existência todo-abrangente do Senhor Supremo.
Vocês todos são seres humanos. Vocês todos são humanos dignos. Esqueçam todas as tendências fissíparas que algumas vezes funcionam dentro da mente humana. Lembrem-se: vocês são as crianças amadas de Parama Purusá, e sua Meta é Parama Purusá. O seu objetivo é a Entidade Suprema. Sua abordagem subjetiva através de um ajustamento objetivo. O movimento de vocês é em direção à Entidade Suprema. Todavia, enquanto seguem em direção à Entidade Suprema, vocês têm que fazer todas as suas atividades mundanas nas esferas sociais, econômicas e outras mais. Isto é, as suas mãos devem cuidar das obrigações mundanas, enquanto a mente deve se conduzir em direção à Entidade Suprema.

P. R. Sarkar - (A.V.M. Parte XII – Kingston, 21/09/1979)


1 N.T.: O fluxo da Consciência Cósmica (Parama Purusá) se desenvolve em duas fases contrárias uma à outra. Na primeira fase, chamada de Saincara, também definida como fase da extroversão, a Consciência é crudificada pelo Princípio Operativo Supremo (Prakrti) até o estado sólido. Na segunda, chamada de Prati-Saincara, ou fase da introversão, a Consciência solidificada, através de choques e coesões, se desenvolve de volta ao estado original, passando pelos reinos vegetal, animal e humano, até alcançar a união com a Entidade Suprema. Este é o chamado fluxo de Bramacakra (círculo de Deus).

22/09/2013

Inteligência espiritual: Todos temos um "Ponto de Deus" no cérebro

:   No início do século 20, o QI era a medida definitiva da inteligência humana. Só em meados da década de 90, a descoberta da inteligência emocional mostrou que não bastava a pessoa ser um gênio se não soubesse lidar com as emoções. Hoje, novas descobertas apontam para um terceiro quociente, o da inteligência espiritual. Ela nos ajudaria a lidar com questões essenciais e pode ser a chave para uma nova era também no mundo dos negócios


08/09/2013

Abharta kirtan. Babanam Kevalam

A HUMANIDADE ESTÁ NO LIMIAR DE UMA NOVA ERA



            Na fase primordial da civilização humana, há cerca de um milhão de anos, quando os seres humanos mal haviam se desenvolvido aqui na Terra, os seus cérebros eram pequenos e suas células nervosas tinham capacidade muito limitada para pensar e expressar idéias. Mas agora, os seres humanos são criaturas desenvolvidas; os seus cérebros tiveram um aumento considerável em tamanho, e suas células nervosas estão mais desenvolvidas e podem elaborar mais pensamentos.
            Os seres humanos dessa fase primordial da existência eram quase como animais; havia pouca diferença entre os primatas, os proto-primatas e os humanos. A civilização humana estava na sua fase embrionária; não havia nenhuma vida sócio-econômico-cultural e dificilmente havia qualquer vida espiritual.
            O tempo passou. A humanidade passou por muitas transmutações. As ideias humanas também passaram por mudanças que resultaram no desenvolvimento das células humanas – células protoplásmicas no âmbito físico e células nervosas no campo da intelectualidade. Algumas pessoas se destacaram e se tornaram líderes da sociedade, daí se iniciou a veneração pelos heróis. Esta foi a primeira fase, a fase rudimentar da vida sócio-econômico-cultural humana. Uma grande aceleração da espiritualidade ocorreu e os valores humanos aumentaram. Esta foi uma nova era na existência humana. Mal havia vida econômica, mas havia um pouco de vida social e cultural.
             As metamorfoses continuaram. Era após era se passaram, e muitos eventos marcaram época, alguns muito importantes outros não. O conjunto de todos esses eventos se tornou a história da humanidade pré-histórica.
            Então, finalmente, nessa primeira fase da pré-história, a era da intelectualidade se iniciou. Nessa era certamente havia muito mais extravagâncias intelectuais. Os dogmas tomaram o espaço da simplicidade; e, em nome de tantas fés, crenças e cultos, muitos dogma conduziram a vida social. Esses cultos, crenças e fés não contribuíram para elevar o progresso coletivo dos seres humanos – na verdade, eles prejudicaram a nossa sociedade coletivamente, não apenas em um ponto determinado da Terra mas por todo o mundo. Estes dogmas eram a via principal da vida humana e a maioria da sociedade estava motivada por eles. Aqueles que se guiavam pela racionalidade e resistiam a esses dogmas, eram tratados como pessoas indesejáveis.
            Mas, após essa fase, esses dogmas rapidamente foram substituídos pela racionalidade. Os seres humano com seus cérebros e células nervosas desenvolvidas começaram a sentir que não deviam trabalhar somente para uma tribo, um clã ou uma nação, em particular, mas que deviam trabalhar para a humanidade do cosmo inteiro.
            Porém, mesmo essa visão expandida não será o suficiente para nos fazer merecedores desta forma humana. Na presente era, devemos uma vez mais pensar no que fazer. A humanidade constitui o ápice da existência? Não, não, não, certamente não. O universo não consiste apenas de seres humanos; outras criaturas, outros animais e as plantas também possuem o direito de viver. Portanto, o nosso universo não é o universo dos seres humanos apenas, mas o universo de todos – de todas as entidades criadas, tanto animadas como inanimadas.
            A humanidade está, agora, no limiar de uma nova era. Esta nossa era é a era do neo-humanismo – a humanidade que provê o elixir da vida para cada um e para todos. Nós somos para todos, e com todos os recursos da existência, temos que construir uma sociedade humana, uma sociedade neo-humanista. Portanto, não devemos perder nosso tempo – deve existir máxima utilização de todas as potencialidades humanas. Se nos atrasarmos no cumprimento de nossas obrigações, as nuvens negras da destruição completa subjugará a nossa existência. Devemos estar conscientes disso; e não devemos perder nem mesmo um único momento de nossa valiosa existência.
            Tantos eventos históricos, tantos eventos para entrarem nos anais da história estão por ser criados por nós – devemos assumir esta grande responsabilidade pelas eras futuras. Dogmas, nunca mais; dogma nunca mais – esta é a era do neo-humanismo.
            Os sentimentos de toda humanidade são os mesmos; as expectativas de uma vida digna são as mesmas para todos. As exigências e as necessidades de todos os seres humanos são as mesmas, e assim a humanidade é uma entidade singular — é una e indivisível. Portanto, devemos manter equilíbrio entre os diferentes seres humanos por um desenvolvimento global, sem discriminação de casta, crença ou nacionalidade. Não deve existir nenhuma escassez de água e alimento no mundo. Ainda existem muitos lugares onde há água em abundância, e onde a produção de alimentos pode ser aumentada. Logo, todos esses potenciais podem ser distribuídos por todo o mundo. Em nenhum lugar do mundo as pessoas devem morrer de fome. Nós somos para todos os outros – e todas as coisas são para todas as pessoas.
           Quantos evangelhos da paz, quantos textos e sermões já foram pregados. Mas, os assim-chamados “apóstolos da paz” não foram sinceros em sua missão. Não queremos mais sermões – queremos algo prático para o benefício de toda a raça humana, e, como resultado da elevação de todos os seres humanos, todas as entidades animadas e inanimadas também serão elevadas. Logo, o que é necessário agora é a elevação da mente humana e do espírito humano. Não necessitamos de mais dogmas – necessitamos cada vez mais de racionalidade, de movermo-nos para o objetivo final, Parama Purusá, o Desideratum Supremo, o núcleo universal do cosmos.
            Muitas ondas vibratórias já foram emanadas do Núcleo da ordem cosmológica. Cada existência tem o seu próprio comprimento de onda e ritmo peculiar; porém quando o movimento é na direção da Entidade Suprema, todos os diferentes ritmos se tornam um. Tantas cores existem se movendo, com tantos comprimentos de onda – mas quando elas forem até a Etapa Final Suprema, e todos os ritmos forem unificados, haverá a unidade completa. Não haverá nenhuma heterogeneidade; todas as coisas se tornarão homogêneas na etapa final de nossa marcha universal.
            Portanto, somente o neo-humanismo pode salvar o nosso universo, somente ele pode salvar a existência humana. Assim, devemos agora, cantar as canções do neo-humanismo. Devemos esquecer todos os erros do passado. Temos um futuro radiante – a luz carmim desse futuro está irrompendo pelo horizonte escuro do presente. Devemos dar-lhe as boas-vindas – não há outra alternativa a não ser essa.
            Quando estivermos predispostos à alegria, deveremos distribuí-la por todo o universo – que todos os corações em todo o universo criado dancem em êxtase. Este é o objetivo do momento presente: nós somos para todos, nós somos para o progresso neo-humanista de todo o universo.
           
P.R.SARKAR - (Abhimata, 5/103 – Ranchi/Índia, 26/05/1984)

26/08/2013

As Brumas de Avalon - Filme

Sonho Místico - The Mystic Dream (Avalon) - LOREENA McKENNITT -


The Mystic's Dream

A clouded dream on an earthly night
Hangs upon the crescent moon
A voiceless song in an ageless light
Sings at the coming dawn
Birds in flight are calling there
Where the heart moves the stones
It's there that my heart is calling
All for the love of you
A painting hangs on an ivy
Nestled in the emerald moss
The eyes declare a truce of trust
And then it draws me far away
Where deep in the desert twilight
Sand melts in pools of the sky
When darkness lays her crimson cloak
Your lamps will call me home
And so it's there my homage's due
Clutched by the still of the night
And now I feel you move
Every breath is full
So it's there my homage's due
Clutched by the still of the night
Even the distance feels so near
All for the love of you.

Sonho Místico

Um sonho nebuloso numa noite terrena
Pende da lua crescente
Uma canção sem voz, numa luz eterna
Canta à chegada da alvorada
Pássaros em vôo estão chamando ali
Onde o coração move as rochas
Para lá o meu coração anseia:
Tudo pelo seu amor
Uma pintura em uma parede de hera
Aninhada no musgo verde-esmeralda
Os olhos declaram uma trégua de confiança
E então me afasta para longe
Aonde, ao crepúsculo do deserto profundo,
A areia derrete em piscinas do céu
A escuridão deita seu manto vermelho
Suas lâmpadas me chamarão para casa
E então é ali que se dirige a minha homenagem
Apanhada pelo silêncio da noite
Agora eu sinto, sinto você se mover
E cada respirar é pleno
Então é ali que minha homenagem é devida
Apanhada pelo silêncio da noite
Até a distância, a sinto tão próxima
Tudo pelo seu amor
Um sonho nebuloso numa noite terrena
Pende da lua crescente
Uma canção sem voz, numa luz eterna
Canta à chegada da alvorada
Pássaros em vôo estão chamando ali
Onde o coração move as rochas
Para lá o meu coração anseia:
Tudo pelo seu amor

25/08/2013

Noite de Todas As Almas - All Souls Night - Loreena McKennitt - Lyrics

                                                    

All Souls Night

Bonfires dot the rolling hillsides
Figures dance around and around
To drums that pulse out echoes of darkness
Moving to the pagan sound.
Somewhere in a hidden memory
Images float before my eyes
Of fragrant nights of straw and of bonfires
And dancing till the next sunrise.
CHORUS
I can see lights in the distance
Trembling in the dark cloak of night
Candles and lanterns are dancing, dancing
A waltz on All Souls Night.
Figures of cornstalks bend in the shadows
Held up tall as the flames leap high
The green knight holds the holly bush
To mark where the old year passes by.
CHORUS
I can see lights in the distance
Trembling in the dark cloak of night
Candles and lanterns are dancing, dancing
A waltz on All Souls Night.
Bonfires dot the rolling hillsides
Figures dance around and around
To drums that pulse out echoes of darkness
Moving to the pagan sound.
Standing on the bridge that crosses
The river that goes out to the sea
The wind is full of a thousand voices
They pass by the bridge and me.
CHORUS
I can see lights in the distance
Trembling in the dark cloak of night
Candles and lanterns are dancing, dancing
A waltz on All Souls Night.
CHORUS
I can see lights in the distance
Trembling in the dark cloak of night
Candles and lanterns are dancing, dancing
A waltz on All Souls Night.

Noite de Todas As Almas

A Noite de todas as almas
Fogueiras pontuam as encostas onduladas.
Espectros dançam ao redor e ao redor.
Tambores pulsam para longe os ecos da escuridão,
Movimentando ao som pagão.
Em algum lugar dentro de uma memória oculta,
Imagens flutuam diante dos meus olhos.
Das perfumadas noites das palhas e das fogueiras
E dançando até o próximo nascer do Sol
Eu posso ver luzes na distância,
Tremulantes no manto escuro da noite.
Velas e lanternas estão dançando, dançando,
Uma valsa pela Noite de Todas as Almas.
Figuras de talos de trigo curvam-se nas sombras
Sustentando-se bem alto como as enormes chamas a pulsarem
O cavaleiro verde adentra a mata sagrada
Para indicar por onde o ano velho vai nos deixar.
Eu posso ver luzes na distância,
tremulantes no manto escuro da noite.
Velas e lanternas estão dançando, dançando,
uma valsa pela noite de todas as almas.
Fogueiras pontuam as encostas onduladas.
Espectros dançam ao redor e ao redor.
Tambores pulsam para longe os ecos da escuridão,
E movimentando ao som pagão.
Na ponte por onde passa
O rio que vai-se embora para o mar.
O vento está saturado de milhares de vozes.
Elas caminham próximas à ponte e a mim.
Eu posso ver luzes na distância,
tremulantes no manto escuro da noite.
Velas e lanternas estão dançando, dançando,
uma valsa pela noite de todas as almas.